sexta-feira, 29 de junho de 2012

Capitulo 17 e Capitulo 18 (Fim da Maratona)


Superando Desafios.

Reino de Murdor

Joseph respirou fundo uma vez antes de erguer a espada e fazer um movimento rápido com a mão, cortando o ar como se fosse um de seus inimigos. O ombro doeu com o esforço, muito menos do que dois dias atrás, mas ainda era uma dor incomoda que o impedia de usar toda sua força. Os pontos do ferimento já tinham caído, mas ainda não era agradável de olhar e qualquer contato coçava, por isso quando não estava na presença dos outros soldados evitava usar camiseta para não irritar. Paola, Peter, Demetria, Harry e Mrs. Galvin observavam enquanto ele treinava, como se fosse um show super interessante, estavam todos num espaço atrás da casa dele onde ninguém ia, então não corriam risco de serem vistos. Joseph não estava acostumado com tanta atenção e fez o possível para não se estressar com os olhos sobre ele.
__Aposto que agora eu conseguia derrubar ele__ Peter comentou__ olha como está lento.
__Não deixe ele ouvir você dizer isso__ Paola disse rindo.
__Eu já ouvi__ Joseph o olhou de lado__ venha até aqui e provo que está errado.

O menino arregalou os olhos um momento, mas depois se recuperou e sorriu.
__Não, eu só ia machucar você ainda mais.
__Claro que ia__ Joseph riu revirando os olhos.
__Não devia fazer tanto esforço__ Mrs. Galvin advertiu__ pode acabar piorando.
__Não posso ficar muito tempo sem movimentar o braço, isso sim vai piorar__ discutiu, ele nunca ouvia os conselhos de ninguém.
__Ele é tão teimoso__ Demetria revirou os olhos.
__Ele tem razão__ Harry interveio__ não é bom para um cavaleiro ficar muito tempo sem treinar, ainda mais quando se machuca, pode acabar perdendo a habilidade.
__Ainda acho um erro__ Mrs. Galvin disse.
Joseph ignorou o comentário de todos, ele sabia o que era melhor pra ele, sempre foi assim, ninguém podia lhe dizer o que deveria fazer. Treinou mais alguns movimentos, depois largou a espada em cima do murinho junto com a camisa e o manto e pegou as duas espadas de madeiras que usava para treinar com Peter.
__Venha, vamos treinar__ ofereceu uma das espadas a ele__ vai me ajudar assim.
__Hum... Mrs. Galvin não acha que é uma boa ideia__ o menino murmurou, mas obviamente estava tentado.
__Lembra do que eu disse em nosso ultimo treino?__ Joseph perguntou__ o que aconteceria se você conseguisse me acertar?
__Disse que eu ganharia um prêmio especial__ o menino sorriu de orelha a orelha e quando Joseph assentiu com um aceno ele se levantou de um salto e correu até ele, pegando a espada de madeira e assumindo a posição de luta.
__Vamos ver se você andou praticando como eu mandei.
E os dois começaram a lutar. Demetria e os outros ficaram apenas em silencio observando e sorrindo, o único som era o das madeiras se chocando e dos gritinhos e murmúrios dos dois enquanto lutavam. Era impossível não sorrir com aquela cena, Joseph brincando com o menino como se fosse seu filho, nessas horas ele parecia tão... Normal.
Joseph era muito resistente, apesar da dor que sentia, em nenhum momento fraquejou ou parou com os movimentos, ele suportava tudo sem reclamar. Depois de vários minutos naquela brincadeira, em que Demetria resolveu torcer pelo Peter, incentivando o menino e arrancando uma risada e uma revirada de olhos do cavaleiro das sombras, ele acabou errando um movimento e Peter acertou sua perna com a espada de madeira.
__EU CONSEGUI__ ele gritou de olhos arregalados, sem conseguir acreditar naquilo__ eu consegui mesmo, eu consegui.
__É verdade, você conseguiu, me derrotou__ Joseph fez uma careta de decepção, mas era obviamente falsa. Ele não precisava dizer nada para que soubessem que ele deixara que o menino ganhasse de propósito.
Ele caminhou novamente até onde estavam suas coisas e pegou um embrulho fino e comprido que esteve escondido sobre seu manto.
__Como prometido__ ele estendeu o embrulho ao Peter__ seu prêmio.
O menino abriu o embrulho ansioso e tirou dentro uma espada. Uma espada de verdade e não de madeira, com bainha e tudo para que ele prendesse ao cinto. Era uma espada bem menor que do que o normal e também mais fina, feita especialmente para uma criança, mas era linda e Joseph nunca vira Peter tão contente na vida.
__É minha?__ ele olhou para Joseph com os olhos brilhando.
__Mandei o Harry fazer especialmente para você__ ele concordou__ gostou?
__É incrível__ ele sorriu e correu para abraçar Joseph, se jogando nos braços dele.
__Você mereceu garoto__ Joseph o soltou e bagunçou os cabelos dele__, mas tem que tomar cuidado com isso, lembre-se que não é um brinquedo, é uma espada de verdade e pode se machucar com isso, tem que ter responsabilidade.
__Tudo bem, eu vou ter__ ele concordou__ vou mostrar ao meu pai.
E ele saiu correndo e rindo de volta pra casa.
__Foi muito legal isso que fez__ Demetria comentou__ deixá-lo ganhar.
__Eu não fiz nada__ ele disfarçou, mas depois sorriu__ ele é só uma criança, precisa de alegrias de vem em quando.
Paola fitou Demetria discretamente, observando enquanto a princesa olhava para Joseph e sorria e sorriu também, um sorriso secreto e somente seu.
__Vitória está no La Luna?__ Demetria perguntou a Paola__ quero visitá-la, já faz alguns dias que não a vejo.
__Está sim, quando sai ela não tinha trabalho, concerteza vai ficar feliz em vê-la.
__Tudo bem, eu vou até lá... Volto mais tarde.
__Não devia passear por ai sozinha__ Joseph advertiu.
__Não posso ficar trancafiada para sempre__ a princesa resmungou.
__Você tem sorte que Klaus te deixa livre para vagar por ai e não te tranca em uma cela como os seus outros prisioneiros.
__Eu a acompanho__ Harry se ofereceu.
__Obrigada__ ela sorriu para ele.
__Mas ponha isso__ Paola tirou seu manto com capuz e entregou a ela__ é bom que os homens não te reconheçam.
__Tente não arrumar encrencas__ Joseph disse__ ainda não estou com disposição para correr atrás de você.
__Não se preocupe comandante.
Ele observou enquanto ela punha o capuz e sumia em direção ao Bordel com Harry logo atrás. Ninguém mais tinha notado os sorrisos largos de Paola, mas ele a conhecia bem demais para saber o que ela devia estar pensando e fechou a cara.
__Quer treinar comigo?__ ofereceu a espada de madeira a ela.
__Não sei manejar uma espada.
__Sabe o suficiente para me ajudar, venha... Prometo pegar leve com você.
__Tudo bem__ ela revirou os olhos.
Então Mrs. Galvin assistiu enquanto Joseph e Paola treinavam com as espadas de madeira.

Estranhos Desejos

Demetria passara a tarde inteira no La Luna conversando com Vitória e com as outras meninas, já fazia alguns dias que não as via e estava com saudade, se surpreendeu com quantos assuntos tinham para discutir, aquelas meninas sabiam de tudo que acontecia no Reino, diziam que era porque os homens gostavam de falar, principalmente quando estavam satisfeitos entre os lençóis e Demetria apenas ria com suas histórias. Vitória estava animada com a gravidez, e não parecia se importar por não saber quem era o pai, o fato de ter algo seu era o suficiente.
Quando saiu do Bordel já era noite e Harry a acompanhou de volta a casa de Joseph. Despediu-se dele e agradeceu a escolta e então entrou na casa. Tudo estava escuro, exceto pela luz de algumas velas, como sempre. Joseph já estava na cama e depois de se livrar do manto e ela caminhou até ele para saber como estava. O encontrou se revirando inquieto na cama, estava sem roupa alguma, coberto até a cintura apenas pelo lençol e estava suado, parecia sentir dor.
__O que aconteceu?__ sentou-se na cama ao lado dele e estendeu a mão para tocar sua testa__ está ardendo em febre.
__Acho que Mrs. Galvin tinha razão, aqueles exercícios não foram boa ideia__ ele disse com um meio sorriso, debochado.
__Você tem que descansar, porque não consegue ficar quieto? Devia aproveitar que Klaus ainda não voltou, ele não poderá vê-lo nesse estado, concerteza não vai gostar__ ela resmungou__ já tomou a mistura para dor?
__Já, mas o ombro não está incomodando tanto assim.
__Quer que chame Mrs. Galvin? Talvez ele tenha algo para fazê-lo sentir-se melhor.
__Não precisa, eu estou perfeitamente bem__ ele garantiu se remexendo e fazendo careta__ vai passar logo.
__Está suando__ ela se levantou e foi buscar uma bacia com água fria e um pano__ está com calor?
__Na verdade estou com frio.
__É por causa da febre__ ela disse__ está assim há quanto tempo?
__Não muito, deite-me para descansar e comecei a me sentir mal__ ele respondeu enquanto ela passava o pano molhado por seu rosto e pelo peito para limpar o suor__ ia me levantar para buscar mais lençóis, mas fique tonto e resolvi ficar deitado.
__É isso que dá ser teimoso__ ela o repreendeu__ assim nunca vai ficar bom.
Ele a fitou enquanto passava o pano por seu corpo totalmente concentrada, Os olhos castanhos atentos, os cabelos negros caindo sobre os olhos e a pele clara cintilando a luz das velas. Agarrou seu pulso, parando sua mão.
__O que foi?__ ela perguntou confusa.
__Não preciso de médico e nem de babá, vou ficar bem__ empurrou a mão dela para longe__ pode parar com isso.
__Porque é tão teimoso?__ ela o olhou de cara feia__ porque se recusa a receber ajuda? Isso é só comigo ou é assim com todo mundo? Porque se não quiser receber ajuda da prisioneira idiota que você precisa proteger para que não matem sua família, pode falar, eu chamo Paola.
__Se eu dissesse que era esse o problema ainda assim me ajudaria?
__Você não é obrigado a gostar de mim, mas não é por isso que vou deixá-lo passar a noite agonizando, não sou esse tipo de pessoa. E não faço por você exclusivamente, mas pela sua família que é inocente e precisa de você.
__Não tenho nada contra você__ ele sussurrou simplesmente.
__Então é apenas um idiota__ ela revirou os olhos__ devia ser mais educado de vez em quando, igual ao Alex. Ele também é um cavaleiro, não tão bom quanto você, mas é... E ele sabe ser educado, se fosse ele em seu lugar estaria sorrindo e agradecendo a ajuda.
__Mas eu não sou ele__ rebateu irritado__ esse seu príncipe estúpido.
__Ele não é estúpido__ ela se levantou mal humorada, largou a bacia com água em cima de uma mesinha e se afastou da cama, fechando as cortinas do dossel, o escondendo de sua visão__ Alex é um homem incrível, é bonito, inteligente, educado, corajoso.
__Ele não é corajoso, quando soube quem eu era saiu correndo feito uma criança assustada.
__Ele estava fazendo o que era melhor para mim__ ela rebateu enquanto tirava o vestido, para poder colocar a camisola de dormir, tinha feito uma cama improvisada em um canto da casa, onde dormia todas as noites.
__Porque deixar você ser trazida até Klaus e usada por ele era o melhor para você. Claro__ ele revirou os olhos, mas depois ficou olhando para além das cortinas, a sombra da princesa enquanto deixava o vestido cair a seus pés e ficava nua__ se fosse comigo, teria matado todos aqueles soldados e a levado embora.
__Como fez com sua família?__ ela disse zangada, mas logo se arrependeu.
__É diferente__ ele sussurrou__ você sabe disso.
__Eu sei, desculpe__ ela terminou de pôr a camisola e voltou até ele, passando pelas cortinas e parando ao seu lado__ o remédio que Mrs. Galvin deixou para dor, se precisar de mais, e a pasta para o ferimento. Eu passaria, mas como você é capaz de se cuidar sozinho, então se vire.
Ela esperou que ele desse uma resposta mal criada, mas não o fez, apenas ficou quieto a olhando. Então ela colocou os dois remédios sobre a mesinha ao lado da cama, caso ele precisasse durante a noite. Não queria se preocupar com isso, mas era inevitável. Quando se virou para ir embora ele lhe agarrou o pulso, a impedindo de sair.
__O que foi?__ ela o encarou confusa__ está com dor?
Ele não respondeu, só assentiu lentamente com a cabeça, ainda a fitando profundamente. Demetria sentiu-se desconcertada com o brilho intenso daqueles olhos azuis. Algo no modo como a encarava fez seu estomago revirar em ansiedade.
__Se deixar de ser orgulhoso posso ajudar.
Ele mais uma vez nada disse, apenas a puxou pelo braço com força, de forma que caiu sentada na cama em seu colo. Antes que a princesa pudesse perguntar o que ele estava fazendo, seus lábios estavam nos dela, calando qualquer pergunta ou protesto. Foi como da primeira vez, ele a beijou com desejo, de uma forma intima, como se ele a conhecesse melhor que qualquer outra pessoa e naquele momento quase pareceu verdade. Seus dedos se perderam no cabelo dela, a puxando para mais perto e Demetria perdeu completamente o fôlego enquanto a língua dele explorava sua boca, lhe roubando todos os sentidos.
__Prometeu que nunca mais faria isso__ ela sussurrou, respirando com dificuldade quando ele a soltou.
__Eu menti__ ele murmurou baixinho, a olhando nos olhos__ sou bom nisso.
Observou o rosto dela por um longo minuto como se tentasse adivinhar seus pensamentos e nenhum dos dois se moveu, apenas respirando fundo, o coração disparado, até que ele se aproximou e a beijou outra vez.
Dessa vez não teve pressa, a beijou com calma, saboreando seu gosto, a maciez dos lábios e o calor de sua pele. E dessa vez, ao invés de resistir, a princesa o beijou de volta, se entregando a sensação, e aquele estranho desejo que a acompanhava há um tempo, mas que insistia em negar. As línguas se envolveram numa dança lenta e erótica, e ela gemeu contra os lábios dele, tomada por um fome que nunca conhecera até então.
__Pensei que estava com dor__ ela sussurrou.
__E estou__ ele concordou__ mas já sei como pode me ajudar.
Joseph a puxou para mais perto, até que estivesse sentada em seu colo, de frente para ele, com as pernas em volta de sua cintura. A princesa lembrou-se de repente que ele estava completamente sem roupa e sentiu-se enrubescer, mas não teve tempo de pensar em mais nada, os lábios dele já estavam de volta nos seus, levando embora qualquer pensamento coerente. Ela bem que tentou, mas não conseguiu se lembrar do que porque aquilo estava errado. As mãos ágeis dele subiram acariciando seu corpo, até encontrar o laço que prendia a camisola e o desfez. Demetria se arrepiou ao sentir as mãos dele em sua cintura, e sua pele em contato com a dele, ele estava pegando fogo e apesar da febre, o calor do corpo dela levou embora todo o frio.
Lentamente, Joseph desceu os beijos em direção ao pescoço dela, com uma das mãos apertou a cintura fina e com a outra tomou um dos seios, acariciando com cuidado, ouvindo-a suspirar em seu ouvido, aquele som o enlouquecia. Demetria nunca sentira nada igual, quando Klaus a tocava, ou aqueles homens que quiseram lhe estuprar, ela só sentia repulsa e dor, uma agonia sem fim, mas enquanto Joseph a tocava, todo seu corpo pulsava e só conseguia pensar que não queria que ele parasse nunca. Seus dedos adentraram os cabelos dele, molhados pelo suor, e o puxaram para mais perto, apreciando o contato da língua dele em sua pele.
__Diga-me__ ele parou um instante com os beijos para sussurrar em seu ouvido__ seu precioso príncipe encantado alguma vez já a fez sentir-se assim?
Ela não conseguiu responder, só enterrou as unhas na pele dele. Joseph a segurou com firmeza, e ignorando completamente a dor que sentia, mudou de posição, a deitando na cama e deitando-se sobre ela. A coberta que o escondia caiu e Demetria gemeu ao sentir o corpo dele em contato com o seu, prendendo as pernas em volta de sua cintura num ato involuntário. Ele a beijou mais uma vez, enquanto suas mãos habilidosas lhe exploravam o corpo, despertando-a por completo.
Foi descendo os beijos por seu pescoço até alcançar os seios, lambendo, chupando com vontade, adorando o gosto da pele dela, e gemendo enquanto a sentia rebolar contra seu quadril, o deixando cada vez mais excitado, não se lembrava de já ter desejado uma mulher tanto quanto desejava aquela princesa. Demetria não havia se esquecido das coisas que Vitória lhe ensinara e aquela foi a primeira vez que teve vontade de usá-las e pode sentir que funcionava. Não ficou parada enquanto ele a agradava, deixando o instinto falar mais alto e largando de lado a vergonha deixou que suas mãos vagassem também pelo corpo dele, sentindo cada pedacinho dos músculos fortes, a barriga sarada.
Joseph se ajoelhou a sua frente, os olhos azuis cintilando de desejo enquanto a observava, nunca admitira antes, mas agora via que era verdade, não havia em todo país mulher mais bonita que a princesa de Severac. Desde os olhos gentis, aos cabelos sedosos, e aquele corpo perfeito que agora estava ali a sua frente, totalmente entregue. Tirou ainda mais prazer daquele momento lembrando-se da regra do Rei de que nenhum homem poderia tocá-la além dele, agora entendia o sentido daquilo, o proibido era mais excitante, mas não quis pensar no que aconteceria se Klaus descobrisse, não queria se arrepender do que estava fazendo.
Ainda Ajoelhado, segurou-a pelos quadris, levantando uma parte de seu corpo da cama e a puxou para si, penetrando-a lentamente, saboreando a expressão de prazer no rosto dela enquanto a invadia. A princesa envolveu novamente as pernas em sua cintura e ele começou a investir para dentro dela, primeiro lentamente, só para provocá-la, e depois mais rápido, ouvindo seus gemidos ficarem mais altos a cada movimento. Ela manteve os olhos nos dele no começo, mordendo o lábios com força e enterrando as unhas nos braços dele, mas depois, quando o prazer tomou conta e não conseguia mais raciocinar, jogou a cabeça para trás, apertando os lençóis e gemendo mais alto, sem se importar se alguém ouviria ou não.
Joseph se inclinou sobre ela, sem parar de investir, e beijou-a avidamente, com desejo e luxúria, depois escondeu o rosto na curva de seu pescoço, e ela o abraçou com força, enterrando as unhas nos ombros dele, o que causou uma pontada de dor por conta do machucado, mas não se importou com nada daquilo.
Sentiu que ela se contorcia cada vez mais sob seu corpo, chegando perto do clímax e foi mais rápido, até que finalmente alcançaram o prazer máximo juntos. Deixou o peso do corpo cair sobre o dela, tomado por uma fraqueza boa, e ficaram ali em silencio, abraçados, recuperando o fôlego e os sentidos.
Quando já podia respirar normalmente, a beijou outra vez, de alguma forma ainda não satisfeito, querendo senti-la um pouco mais. Demetria correspondeu de bom grado, sentindo-se bem de uma forma que nunca provara antes.
__Sente-se melhor agora?__ ela perguntou baixinho.
__Muito melhor__ ele concordou sorrindo, o frio tinha sumido e a dor era uma lembrança distante, quase nem conseguia senti-la com tantas outras sensações lhe tomando__ estamos quites agora.
__Porque fez isso?__ Demetria questionou o olhando com atenção.
__O que?__ ele a encarou confuso.
__Fazer amor comigo__ ela explicou__ por quê?
__Como assim por quê?
__Só quero saber__ ela sussurrou mordendo o lábio__ foi porque queria irritar o Klaus? Para provar alguma coisa, igual da primeira vez em que me beijou? Ou... __ ela exitou__ já tinha deixado claro que só me protegia porque era seu trabalho. Só quero saber se sirvo de objeto para você igual sirvo para Klaus. Os homens parecem gostar de se divertir as minhas custas.
__Não estou me divertindo as suas custas, não que isso não tenho sido divertido__ ele provocou__ acha que eu arriscaria irritar Klaus e ele machucar minha família só pra provar alguma coisa? Eu estava com raiva daquela vez, foi diferente. Mas não sou o tipo de pessoa que arrisca tudo que tem sem realmente se importar, você sabe disso princesa.
__E o que isso quer dizer?
__Que por mais que seja estúpido me importo com você__ ele respondeu__ não é só pena pelas coisas que sofreu, eu te respeito e acho que ganhou minha afeição por ter tanta coragem. Mesmo com medo de mim sempre teve a coragem de me enfrentar, não são muitos que conseguem fazer isso.
__Eu não tinha muita coisa a perder__ deu de ombros.
__Fiz amor com você porque a desejava__ murmurou a olhando nos olhos__ não sei mais o que dizer.
__Não precisa dizer mais nada.
E então o puxou gentilmente pela nuca para mais um beijo.
Fim do Capítulo

A Ira do Rei.

Reino de Murdor

Joseph acordou sobressaltado com o som das batidas insistentes da porta. Percebeu que não estava sozinho e sorriu por um momento vendo Demetria deitada com a cabeça em seu peito, adormecida, mas logo o sorriso se desfez quando a batida ficou mais forte, e alguém gritou chamando seu nome. Demetria se remexeu inquieta e acordou, parecendo confusa.
__Comandante__ o homem chamava lá fora__ abra a porta, por favor.
__O que aconteceu?__ Demetria perguntou baixinho.
__Tem um idiota lá fora me chamando__ ele resmungou mal humorado, a afastando gentilmente e levantando da cama.
__O que você quer?__ ele perguntou enquanto pegava a calça pendurada na cama e começava a vesti-la, ignorando a pontada de dor no ombro, estava cada vez mais fraca.
__Tenho noticias do Rei Klaus, comandante__ o homem disse__ preciso falar com o senhor imediatamente.
Demetria e Joseph se entreolharam, de repente nervosos com a menção ao nome do Rei.

__Fique aqui, ele não pode te ver__ Joseph murmurou fechando as cortinas em volta da cama e indo até a porta.
Demetria permaneceu deitada na cama e se cobriu com o lençol, ficando bem quietinha. Joseph cobriu o ombro machucado com o manto e abriu a porta. O homem que o chamava era Kyle, um dos homens de confiança do Rei Klaus, costumava tomar conta de tudo quando o Rei se ausentava. Assuntos políticos que não interessavam em nada a Joseph.
__O que aconteceu? Porque tanto desespero?__ Joseph perguntou mal humorado.
__O Rei está de volta a Murdor e exige sua presença na sala do Trono imediatamente.
__Ele voltou? Conseguiu descobrir alguma coisa?
__Não sei dizer senhor, ele quer vê-lo agora mesmo e não está nada contente.
Joseph não gostou do que ouviu, Klaus irritado era sinal de problemas pela frente. Será que ele estava zangado com algo que aconteceu na cidade ou teria ele descoberto que Joseph quebrou sua bendita regra? Não... Não havia como ele saber.
__Vou me vestir e já seguirei para lá.
__Sim senhor__ o homem fez uma reverência e saiu. Joseph fechou a porta.
__O que aconteceu?__ Demetria perguntou sentando-se na cama e puxando o lençol para cobrir o corpo.
__Klaus está de volta__ Joseph sussurrou e não precisou dizer mais nada.
Demetria vestiu a camisola, e observou inquieta enquanto Joseph brigava com a camiseta, ainda com problemas nos movimentos por conta do ombro. Já estava bem melhor, mas ainda incomodava e atrapalhava e Joseph não era um homem de muita paciência, ainda mais quando estava nervoso como naquele momento.
__O que acha que ele quer?__ ela perguntou.
__Não faço ideia__ suspirou pegando a espada__ só... Fique aqui até eu voltar e não deixe que ninguém te veja ou teremos sérios problemas.
Ela assentiu lentamente, se encolhendo na cama e abraçando a si mesma. Tinha estado tão feliz na noite anterior, nos braços de Joseph, fazendo amor durante toda a noite, sem medo, dor ou preocupações. Mas agora o sol nascera, um novo dia surgira e o mundo voltara a girar, prestes a desabar sobre eles, ela podia sentir.
Joseph a encarou por um tempo, o coração se apertou, era exatamente o que ele quis evitar, agora tinha mais alguém com quem se preocupar, mas alguém cuja vida lhe era extremamente importante e que não suportaria perder. E no caso da princesa era ainda mais difícil... Espantou rapidamente os pensamentos.
__Eu volto logo minha princesa__ ele sorriu para aliviar o clima, e quando ela sorriu timidamente de volta, se virou e saiu.
__Até logo meu cavaleiro__ ela sussurrou deitando-se novamente na cama e agarrando um travesseiro.
Joseph atravessou a cidade em direção ao Palácio o mais rápido que pode, sem querer deixar o Rei esperando por muito tempo. Se sentia tão diferente e ansioso aquela manhã que teve de se segurar para não sair correndo. Não diria que estava com medo, mas estava certamente preocupado com o rumo que as coisas estavam tomando, passou muito tempo acomodado, adiando o momento de realmente enfrentar Klaus, mas estava chegando o dia em que não teria mais saída, ele precisava correr e encontrar sua família o mais rápido possível, antes que tudo saísse do controle.
Quando Joseph finalmente chegou à sala do Trono, os guardas na porta estavam nervosos, antes mesmo de entrar ouviu os estrondos e gritos vindos de lá de dentro. O Rei realmente não estava de bom humor, o que nunca foi realmente um problema para Joseph, ele só descontava sua raiva nele quando era realmente sua culpa e isso quase nunca acontecia, mas agora Klaus tinha um novo brinquedo em quem descontar sua fúria e o pensamento lhe causou náuseas.
__Alteza__ Joseph fez uma reverência parando em frente ao Trono.
Klaus parou de gritar com o pobre do guarda que estava de olhos arregalados e se virou para Joseph.
__Mandou me chamar?__ ele perguntou quando o Rei nada disse.
__Sim, eu mandei lhe chamar Joseph__ ele concordou.
__Novidades sobre o Rei Robert? Conseguiu descobrir alguma coisa?
__Ah descobri__ ele deu uma risada perturbadora, sem nenhum sinal de humor__ descobri que estavam me fazendo de palhaço e eu não gosto nada que me façam de palhaço. Eu odeio traições, você sabe disso.
Por um momento Joseph pensou que Klaus tinha descoberto o que acontecera entre ele e a princesa, que todo seu esforço iria por água abaixo, mas descartou rapidamente a ideia, ele não sabia, não tinha como saber. O que o estava irritando era outra coisa.
__O que aconteceu Alteza?
__Era verdade o que aquele soldado suicida falou... Robert tem mesmo um exercito, ele formou um exercito bem debaixo do meu nariz e eu não percebi, ele me enganou todo esse maldito tempo__ gritou__ sabe aquele infeliz do Greyjoy? Que se sentou a minha mesa e partilhou da minha comida e de minhas mulheres? Aquele que declarou lealdade a mim e jurou que me ajudaria a matar Robert? Você se lembra dele?
__Sim Alteza__ Joseph concordou. Lembrava-se vagamente do homem no Palácio no dia que impedira a fuga de Demetria e entregara Charlie ao Rei. Era um velho mal encarado em quem Joseph nunca confiara, pois antes fora aliado do Rei Robert e não acreditava que ele tinha mudado de lado assim facilmente, nem mesmo por ouro. Aparentemente ele tinha razão.
__O homem estava aqui como espião daquele infeliz, daquela barata nojenta do Robert Lovato, ele estava aqui para saber os meus planos, os meus passos e me delatar ao inimigo__ murmurou vermelho de raiva__ agora que ele sabe tudo que planejo e que Robert já sabe tudo que queria, está juntando seu maldito exercito de SEIS MIL HOMENS e os juntando ao que sobrou do exercito de Severac. Sabe o que isso significa?
__Ainda temos um numero maior de homens e somos mais fortes senhor, não acho que...
__NÃO ME INTERESSA O QUE VOCÊ ACHA JOSEPH, AQUELE INFELIZ DEVIA ESTAR MORTO__ o interrompeu, Joseph apenas conteve a língua e o tédio com os chiliques do Rei e esperou que ele terminasse.
Klaus gritou xingamentos por mais um bom tempo, andando de um lado para o outro com pisadas fortes que poderiam afundar o chão. Todos estavam com medo da Ira do Rei, estava claro em seus olhos, mas Joseph já vira aquilo vezes demais para se intimidar, não era mais um menininho de dez anos e não se lembrava da ultima vez que sentira medo daquele homem. Mas quando Klaus parou de andar e olhou para Joseph com um sorriso perturbador, por um momento Joseph temeu... E tinha todos os motivos para aquela sensação, ele soube logo depois.
__Joseph, traga a princesa Demetria até aqui agora mesmo__ ele ordenou com a voz calma demais para uma expressão tão intensa.
__Alteza?__ Joseph o encarou por um momento, tentando adivinhar o que estava pensando.
__Não posso machucar o infeliz do Robert, porque não sei onde está, mas posso mandar uma mensagem para que os seus amiguinhos repassem a ele__ Klaus disse__ Você que tem experiência meu amigo comandante, o que acha que vai causar mais impacto? Se eu mandar um dedinho da princesa para ele, uma mão inteira, ou então a cabeça?
Joseph sentiu o estomago revirar, mas manteve a postura.
__Alteza, não acho que machucar a princesa vá melhorar a nossa situação...
__Não me interessa o que você acha__ rebateu__ não quero melhorar nada, quero causar dor aquele infeliz. Agora escolha comandante, o que eu devo arrancar da princesa? Talvez a língua... Não tem sido de muita utilidade mesmo... VAMOS DIGA.
__Alteza...
__ESCOLHA.
Joseph respirou fundo uma vez.
__O dedo__ ele murmurou encarando o chão.
__Ótimo, agora vá buscá-la e traga ela até mim e não demore.
Ele pensou em discutir, mas viu o olhar no rosto do Rei e sabia que se abrisse a boca estaria causando dor a sua família, então com o coração disparado no peito saiu da sala do Trono. Talvez até que ele chegasse com Demetria o Rei tivesse se acalmado e mudado de ideia, talvez... Talvez... Ele não conseguia pensar num talvez e o desespero começou a tomar conta e refletir em sua velocidade.
Estava acontecendo aquilo que tinha temido... O Rei mandaria que ele a machucasse e ele teria que fazer. Mas agora já não sabia se conseguiria. Se mandassem matar qualquer outra pessoa, ele faria sem pensar duas vezes, mas não podia machucá-la, não depois da noite passada, era crueldade demais.
__Joseph__ estava tão distraído que não viu Paola a sua frente e só parou quando esbarrou nela__ Joseph, que cara é essa?
__Klaus__ ele murmurou agoniado__ voltou à cidade e está completamente irado Paola, ele quer descontar a raiva em Demetria, vai me pedir para machucá-la e eu não vou conseguir fazer isso.
__Joseph...
__Eu disse a você que ia ser assim, eu disse que não devia me apegar, mas fiz mesmo assim... ESTÚPIDO__ passou as mãos nervosamente pelos cabelos, bateria a cabeça com força na parede se tivesse tempo pra isso.
__Se acalme, ficar nervoso não vai ajudar em nada__ ela disse__ vá buscar Demetria e a leve até Klaus como ele quer, talvez ele mude de ideia, você sabe como ele é instável, qualquer bom argumento e ele muda de ideia, sei que você vai dar um jeito.
__Não tenho tempo para um talvez Paola.
Não esperou que ela dissesse mais nada, pois não ajudaria. Foi até em casa o mais rápido que pode e encontrou a princesa já vestida, em um lindo vestido azul que lembrava muito a cor dos seus olhos, os cabelos estavam presos em uma trança e estava sentada sobre a cama, batendo os dedos no colchão nervosamente.
__Hey, você voltou__ ela sorriu ao vê-lo e o gesto fez Joseph sentir como se alguém estivesse cutucando seu coração com uma faca só para se divertir. Lembrava-se do que sentira quando recebera o dedo de Macayla dentro de uma caixinha, a ira fora tão grande que ele quase fizera uma besteira, mas Paola o impedira como sempre de por tudo a perder e tudo que pode fazer foi vomitar como uma criança imaginando sua irmã chorando de desespero enquanto perdia o dedo... Foi como se nunca tivesse visto sangue na sua frente.
Agora o Rei ia querer que ele passasse por aquilo de novo, ia querer que ele assistisse, ou pior... Que ele mesmo o fizesse.
__Está tudo bem?__ Demetria se levantou e caminhou até ele__ o que Klaus queria?
__Precisa vir comigo__ ele encontrou a voz para falar__ O Rei quer vê-la.
__A essa hora?__ ela franziu o cenho confusa__ ele só me chama para seus aposentos à noite.
__Não é por isso que quer vê-la.
Demetria o fitou com atenção, e não gostou do que viu nos olhos dele.
__O que está acontecendo Joseph?
__Venha comigo por favor__ ele pegou na mão dela__ vai ficar tudo bem.
__Joseph...
__Só... Vem comigo por favor__ ele insistiu e largou a mão dela para segurar o braço, como devia fazer com um prisioneira. Não a machucou como de costume enquanto a arrastava consigo, o aperto era incrivelmente gentil e não combinava com a situação, com a expressão vazia em seu rosto, que ele assumiu assim que saíram da casa. Demetria sentiu-se tonta sabendo que nada de bom a esperava na presença de Klaus.

No Último Minuto

Quando atravessaram a enorme porta e Joseph a guiou em silencio até Klaus, Demetria sentiu os olhos arderem. Viu o Rei em seu Trono, com uma expressão perturbadora no rosto, um olhar louco que fez seu coração bater depressa demais. Viu dois guardas parados atrás dele, todos claramente nervosos e viu a Montanha, o carrasco com sua enorme espada na bainha e clara satisfação no olhar... Ela olhou para Joseph, e ele parecia tão frio, como quando a arrastara por aquele mesmo caminho a primeira vez e teve vontade de chorar antes de saber ao certo o que ia acontecer. Sentira-se tão bem na ultima noite, tão completa, e inteira novamente e agora... Agora sentia-se incrivelmente vazia e sozinha.
__A princesa de Severac Alteza__ Joseph anunciou__ como o senhor ordenou.
__Hum__ ele sorriu com satisfação__ ela está tão bonita.
__O que devo fazer?__ Joseph perguntou e Demetria sentiu o aperto em seu braço ficar mais forte.
__Você não vai fazer nada, está irritante demais para o meu gosto hoje__ anunciou sorrindo__ A Montanha se encarregará de todo trabalho, só... Fique aqui comigo e aprecie o show__ deu de ombros__ Montanha... Arranque a mão direita da princesa.
__O que?__ Demetria arregalou os olhos e fitou Joseph, ele não devolveu o olhar, estava encarando Klaus__ Não, por favor, não pode... Não... Eu não fiz nada, eu não...
__Sei que não fez nada, foi o seu pai quem fez__ Klaus disse__ agora cale a boca.
__Alteza...
__Agora não Joseph, seja o que for pode ficar para depois, agora venha até aqui e assista__ sorriu de lado__ a não ser que queira que eu arranque mais um dedinho da sua irmã, ela não precisa deles mesmo.
Quando dois guardas vieram segura-la, abaixá-la no chão e esticar sua mão sobre um apoio e Joseph ficou lá parado, sem reagir, ela soube que ele não faria nada para defendê-la. Não porque não se importava, mas porque se o fizesse estaria condenando sua família, e não só a perder um dedo como Klaus sugerira, mas a morte. E ela não conseguiu culpá-lo.
Quando ele se posicionou ao lado do Trono, tinha aquele ar frio do cavaleiro das sombras, de quem não se importava com absolutamente nada, de quem não tinha medo de nada, qualquer um que olhasse não saberia o que ele estava realmente sentindo, mas ela sabia. Quando ergueu o rosto para olhá-lo nos olhos, ela viu no meio daquela imensidão azul uma dor tão grande, uma dor que nenhuma faca causaria, uma dor maior do que a que ele sentira ao levar aquela facada no ombro. Porque mesmo sendo um ótimo soldado, mesmo sendo praticamente invencível, naquele momento era um completo inútil.
Demetria tentou sentir raiva, tentou chorar, mas estava certa... Suas lágrimas tinham secado, nem mesmo conseguiu gritar, ou talvez apenas não quisesse dar esse gostinho a Klaus. Viu Montanha erguer sua espada no ar, mas desviou os olhos e os fixou no rosto de Joseph, preferia olhar para a beleza dele naquele momento e lembrar como a fizera sentir-se bem. Tudo pareceu ficar em câmera lenta de repente... Os olhos de Joseph se arregalaram muito, e ela viu quando ele deu um passo à frente, lutando consigo mesmo sem saber o que fazer.
Foi quando a porta se abriu e alguém entrou correndo.
__ALTEZA, ALTEZA__ um homem gritava.
Montanha perdeu a concentração, assim como os soldados que a seguravam. A Princesa puxou o braço para trás e a espada bateu no apoio de ferro, fazendo o som ecoar por todo o salão e sobressaltar a todos. Por um momento ninguém respirou.
__Mas que diabos__ Klaus resmungou__ não vê que estava no meio de algo importante?
__Sinto muito Alteza, tenho noticias urgentes de Severac que concerteza o interessarão.
Klaus o olhou com curiosidade, pegou a carta da mão do homem e fez um gesto para que Montanha esperasse, pois ele já começava a puxar novamente a mão de Demetria para poder arrancá-la. O alivio de Joseph naquele momento era quase palpável, mas ninguém além de Demetria estava prestando atenção nele para poder notar.
Todos fizeram silencio enquanto Klaus quebrava o selo e lia a carta.
__Isso que diz aqui é verdade?__ Klaus perguntou fitando o guarda com atenção.
__Sim senhor, tenho certeza__ ele afirmou__ desconfiávamos há um tempo, mas não queríamos incomodá-lo com o assunto até ter certeza. O conteúdo da carta é cem por cento verdadeiro.
O sorriso de Klaus mudou, daquele sorriso louco para um sorriso de felicidade e satisfação.
__Montanha, não precisarei mais de seus serviços, vocês podem soltar a princesa__ Demetria e Joseph foram tomados por um enorme alivio, mas apenas ela deixara transparecer__ Hoje é seu dia de sorte querida.
Ela acariciou os pulsos o olhando com raiva enquanto se levantava do chão.
__Joseph, tenho tarefas para você__ Klaus disse e Joseph foi se colocar a frente dele__ leve a princesa de volta ao La Luna, e certifique-se de que alguém a traga aos meus aposentos ao cair da noite, vou usá-la de outra forma, você tem razão, cortá-la em pedacinhos de nada me servirá.
__Sim alteza.
__Junte um grupo com seus cinquenta melhores homens e venha ao meu encontro... Tenho uma missão especial para vocês.
__Como quiser Alteza.
Joseph fez uma reverencia, agarrou Demetria pelo braço e a puxou o mais rápido que pode sem parar apressado para fora do salão. Não disseram absolutamente nada durante todo o caminho, até que ele entrou com ela no La Luna e a levou até seu quarto.
__Você está bem?__ ele a soltou e a fitou com preocupação.
__Estou bem__ ela concordou__ não me machuquei afinal... Ainda tenho minha mão.
__Eu... Sinto muito por aquilo... Não...
__Está tudo bem comandante__ ela sorriu amavelmente para ele, mas aquilo não o fez sentir-se melhor, ele não mereceria aquele sorriso ou a compreensão dela__ não tem que se desculpar ou sentir nada, eu estou bem, nenhum dano feito.
Ele desviou os olhos do rosto dela e começou a sentir o ombro doer novamente, segurou-o com a mão boa e apertou levemente causando em si mesmo uma dor que nenhum homem são suportaria, mas não emitiu nenhum som, nem demonstrou qualquer expressão de dor. Tinha planejado passar aquele dia deitado na cama ao lado de Demetria, se recuperando da facada que quase já não incomodava mais e tomando-a para si sempre que o desejo se fizesse presente, de um forma que nunca havia feito com nenhuma outra mulher... Mas Deus, ou melhor... Klaus... Havia lhe reservado outra coisa.
__Não estou zangada__ ela disse quando ele ficou em silencio__ eu entendo você.
__Eu ia deixar que ele arrancasse sua mão fora... Como entende isso?
__Não me deve nada comandante, só porque passamos a noite juntos não significa que precisa me proteger de qualquer coisa que seja.
Agora ele estava com raiva, e bateu o pé no chão com impaciência.
__Não escutou nada do que eu lhe disse ontem à noite?__ resmungou zangado__ como pode dizer isso?
__Você me deseja, eu já entendi isso... Mas não sou mais importante que sua família__ ela deu de ombros__ e tudo bem, não estou com raiva, ou acho isso ruim, é como as coisas são. Você passou por muita coisa para defendê-las Joseph, não é só porque gosta um pouco de mim que deve deixar tudo pelo que lutou para trás. Você tem suas batalhas a travar, das minhas cuido eu. Nunca pedi que arriscasse nada por minha causa, não quero isso... Não quero ser a responsável por desviá-lo de seu objetivo.
 “Só porque gosta um pouco de mim”, a voz dela ecoou em sua cabeça. Era isso? Ele gostava só um pouco dela? “Você me deseja”, era verdade... Mas era só isso? Não se lembrava da ultima vez que sentira tamanho desespero por culpa de alguém, não se sentia tal coisa só por gostar um pouco de alguém. Aquilo estava errado.
__O que está querendo dizer?
__Que você tem que ir, antes que Klaus se irrite com você.
Mas ele não queria ir.
__Lembra-se do que me disse uma vez quando me trazia para cá?__ ela perguntou__ isso é uma guerra... É como as coisas são.
Fizera sentido antes, agora soava terrivelmente estúpido. Aquela era a pior guerra de todas.
__Eu disse a você, sou uma pessoa diferente da que trouxeram para essa cidade, a menina estúpida e indefesa morreu, eu vejo tudo diferente agora e decidi que não quero mais ninguém morrendo por mim, ninguém mesmo__ ela sorriu docemente, se pôs na ponta do pé e lhe deu um rápido beijo__ vá embora, o Rei está a sua espera.
Como não sabia o que dizer, ele apenas se virou e foi embora. Ouviu uma das meninas lhe cumprimentar enquanto descia as escadas... Cavaleiro das sombras, ela o chamara. Ele não se sentia mais assim, não sentia-se mais o cavaleiro das sombras. Assim como a princesa mudara, ele também era um homem diferente agora.
O cavaleiro das sombras não tinha sentimentos, não se importava com nada e nem ninguém. O cavaleiro das sombras não tinha amigos, gostava mais da noite do que do dia. O cavaleiro das sombras era o soldado perfeito que atendia ordens sem questionar e mesmo assim causava medo naqueles que lhe comandavam. Ele era apenas o Joseph agora, que ainda assustava todos em volta, que ainda era capaz de matar sem pensar duas vezes, mas que agora preferia a luz do sol e tinha mais sentimentos do que era seguro para um homem em sua posição.
Ele finalmente se sentia em guerra, e estava chegando o momento de por um fim em tudo aquilo.
Fim do Capítulo 

12 comentários:

  1. gzuis*---* que capitulo perfeito posta logoo please

    ResponderExcluir
  2. Omg!!! *O* Posta logo!!!
    Bem que você falou do sobre o cap 17 e 18... hahaha
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. POSTEI ... Viu só dps ñ tem como dizer q eu ñ avisei ... Beijis

      Excluir
  3. ahhhhhhhhhhhhh, perfeitooo ,jemi =)))

    amei a maratona =D

    não demore para postar hein ... vou morrer de desespero !

    beijemi !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Q BOM Q GOSTOU ... Postei mais acho q demorei um pouquinho ...
      E POR FAVOR Ñ MORRA ... Beijos

      Excluir
  4. OMG perfeito meu blog é jemiwhenyoulookmeintheeyes.blogspot.com sou nova espero que goste

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fofa eu dei uma olhadinha eu ia seguir mais ñ apareceu o bagulhinho q diz seguir ali ... XOXO

      Excluir
  5. Adorei a maratona.
    Obrigada =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De Nada Fofa eu q agradeço pelo seu carinho : ) Beijos

      Excluir