quinta-feira, 14 de junho de 2012

Chapter Seventeen e Chapter Eighteen - What If ? e Chapter Nineteen e Chapter Twenty e Epílogo

Nicholas tinha ficado pra trás na fazenda para que Joseph não ficasse sozinho enquanto os outros iam atrás de Demi e Eric. Ele não se importou de ficar, mas naquele momento seu coração estava apertado e um mau pressentimento lhe tomava, lhe deixando inquieto. Queria poder falar com o irmão e lhe dar uma bronca por ter apoiado Demi naquela loucura, mas apesar da raiva só o que queria era que ele voltasse e estivesse bem.
Ele estava parado na varanda quando o raio negro cortou o céu noturno ao meio. Não era visível a olhos humanos, só bruxos enxergavam a energia e mesmo para eles era difícil ver àquela hora da noite, mas Nicholas viu... O véu negro envolvendo o céu um pouco de cada vez. A sensação ruim piorou e Nicholas ficou ali imaginando o que estaria acontecendo além da fazenda, com os mortais, que efeito aquilo estaria causando neles, tinha medo de pensar que aquele podia ser o fim do mundo como o conhecia.
__É lindo não é?__ por um momento ele pensou que Joseph tivesse saído do quarto, ou que os amigos tivessem voltado, mas estava redondamente enganado, aquela voz grossa e debochada não era de ninguém que lhe agradaria ver.
__Robert__ murmurou surpreso__ o que faz aqui? Como entrou na fazenda?
__Achou que aquele campo de força fajuto poderia me manter fora da fazenda? Eu sou o bruxo mais poderoso da terra, nada pode me parar__ ele disse orgulhoso e Nicholas praguejou mentalmente, estava contando com a barreira para sua proteção e a de Joseph, ou pelo achou que aquilo atrasaria Robert se ele resolvesse aparecer... Estava muito enganado__ eu vim ver o meu irmão.
__Vai ter que passar por mim primeiro__ disse enchendo o peito de uma coragem que na verdade não tinha.
__Como preferir__ Robert deu de ombros.
Por um momento nada aconteceu, mas Nicholas não quis esperar pra ver. Tinha um feitiço na ponta da língua pra atacar Robert, embora soubesse que poderia não adiantar de muita coisa, já que ele era tão poderoso, mas tinha de tentar mesmo assim. Porém quando abriu a boca pra murmurar o feitiço, Robert apenas ergueu a mão e com um leve movimento com a ponta dos dedos, Nicholas foi lançado pelo gramado da fazenda a toda velocidade até que seu corpo se chocasse com uma árvore. O impacto forte lhe fez perder a consciência, e sorrindo, logo depois de uma ultima olhada na direção do céu, Robert entrou na fazenda.
A cada pedaço que o véu de luz negra cobria no céu, um mortal caia no chão se contorcendo em agonia. A energia negra não afetava bruxos, mas modificava a estrutura dos mortais, dando a eles poderes além de sua imaginação. A transformação não era um processo simples, mas extremamente doloroso, os poderes que ganhavam não eram nem um terço do que os bruxos normais possuíam desde o nascimento, mas era forte mesmo assim.
Logo, enquanto a noite avançava, pessoas caiam em todos os lugares, andando nas ruas, em casa com sua família, no transito. A súbita onda de dor fez motoristas perderem o controle de seus carros, causando acidentes terríveis em todo lugar e então tudo tinha virado caos e desespero. Algumas pessoas não resistiam a processo, caindo no chão e simplesmente não acordando mais, algumas demoravam mais para serem atingidas e olhavam tudo assustadas, sem entender o que estava acontecendo... O mundo estava de pernas pro ar, e em menos de uma hora, não haveria mais mortais no mundo... Tudo seria diferente... Para sempre.
Joseph estava deitado na cama de seu quarto. A mais ou menos uma hora atrás, ele tinha tentado fazer um feitiço de rastreamento para ajudar Michael a localizar Demi e Eric onde quer que estivessem, mas descobrira que não tinha mais seus poderes, eles simplesmente se foram, e agora ele era um mortal como outro qualquer e estava morrendo. Todo seu corpo doía, como se tivesse levado uma boa surra, não conseguia mexer um músculo sem ser atingido por uma agonia que nunca imaginou poder sentir e em alguns momentos se pegou desejando morrer de uma vez... Mas não, ele não podia morrer, não ainda.
Deitado na cama de olhos fechados, respirando lentamente, Joseph escutou Nick gritou lá em baixo e quis correr para ajudá-lo, mas não podia se mexer, não conseguiria ficar de pé. Então ficou ali deitado, ouvindo os passos que se aproximavam no corredor, imaginando que a hora que tanto tinha esperado estava finalmente se aproximando. Ainda de olhos fechados ele escutou quando a porta do quarto se abriu e não precisava olhar pra saber quem estava ali, aquela energia que ele emanava era inconfundível.
__Veio me ver morrer irmão?__ Joseph perguntou.
__Eu não podia perder esse momento__ ele respondeu__ esperei por tanto tempo. Eu finalmente estou conseguindo tudo o que quero e você não pode me atrapalhar dessa vez... É o paraíso.
__O que você fez com a Demi?__ Joseph questionou com calma, ela era sua maior preocupação nesse momento.
__Eu a deixei assistindo a minha obra... Não se preocupe, vocês não ficarão separados muito tempo, não sei qual de vocês morrer primeiro, mas logo estarão juntos no além... Romântico não? Talvez você encontre Esmeralda lá também, ia ser mágico.
Joseph abriu os olhos então, pra fitar o rosto do irmão e parecia a primeira vez que o via. Era alguém totalmente diferente para ele agora, como olhar para um completo estranho embora ainda fosse tão familiar. Os cabelos loiros caindo sobre os ombros, o sorriso debochado não escondia a profundidade dos sentimentos refletidos nos olhos azuis.
__O que está fazendo aqui Robert?__ ele perguntou num sussurro__ não tem um monte de coisas para fazer agora que vai governar o mundo? Porque perder seu tempo vindo até aqui? Me odeia tanto assim que não basta apenas me matar, mas tem que assistir acontecer também?
__Você me conhece bem__ deu de ombros__ você arruinou minha vida Joseph, eu tinha que ver.
__Eu temo que seja o contrário, você arruinou a minha.
__Estava apenas me vingando por tudo que você me fez?
__Tudo que eu fiz foi ser um bom irmão, uma boa pessoa, você tem raiva porque eu sempre fui melhor do que você, mas não se trata de poderes, de aparência, nem nada disso, se trata da pessoa que eu escolhi ser. Eu escolhi ser alguém bom, fazer as coisas certas, e você escolheu ser mau, não é culpa minha Robert... Não pode jogar a culpa do seu fracasso em mim.
__Ser um bom irmão? Roubando a mulher que eu amava?
__Eu não roubei nada Robert, Esmeralda me escolheu e você sabe bem disso, se tivesse sido o contrário eu teria desejado que você fosse feliz, eu nunca tentaria matá-lo ou roubar a mulher que você amava, isso é doentio, é nojento.
__Maldito o dia que você nasceu para tomar o meu lugar, sua pose de menino perfeito não me engana.
__Essa discussão é inútil, você é completamente louco.
Robert se aproximou lentamente da cama e Joseph não se permitiu demonstrar nenhuma emoção, se o irmão o atacasse ele não tinha como se defender, pois estava fraco e sem os seus poderes, ele era um inútil agora. Robert parou ao lado dele na cama e esticou a mão, o segurando pela gola da camisa e o puxando em sua direção, até que seus rostos estivessem bem próximos, os olhos na mesma altura. Joseph não conseguia manter o corpo de pé, o que o impedia de cair era o aperto do irmão, se Robert o soltasse ele cairia no chão como um boneco sem vida.
__Ela era pra ter sido minha Joseph__ Robert sussurrou__ você não tinha que estar lá naquela tarde, você não devia tê-la conhecido, se você não tivesse aparecido, eu teria isso falar com ela, as coisas teriam sido diferentes. Ela devia ter se apaixonado por mim aquela tarde, não por você.
__Bem que você queria não é mesmo?
__Eu sempre me perguntava... E se o Joseph não tivesse aparecido? E se eu tivesse criado coragem para falar como me sentia? E se você morresse? E se... E se... E se... __ ele suspirou__ essa pergunta pode matar sabia? Faz você se corroer por dentro imaginando o que poderia ter sido, e eu imaginei tantas vezes.
__Eu também imaginei... E nem uma das vezes estaríamos onde estamos agora.
__Você gostaria de ver Joseph? Como deveria ter sido?__ Robert sorriu__ como era pra ter acontecido se você não tivesse se metido no meu caminho? Gostaria de ver o jeito certo? Quero que você saiba o que você tirou de mim antes de morrer irmãozinho, quero que você veja a vida que eu podia ter tido e que você destruiu.
Percebendo o que o irmão pretendia, Joseph tentou se soltar dele, mas não tinha como medir forças com Robert agora, não quando o menor suspiro fazia todo seu corpo doer, como se todos os seus ossos estivessem quebrados. Com um movimento rápido, Robert prendeu as duas mãos de Joseph, o imobilizando.
__Ostendere quid fuisse__ Robert sussurrou__ aproveite a visão irmãozinho.
A vista de Joseph escureceu e ele se sentiu arrastado para outro lugar, como se estivesse flutuando... A consciência se apagou por um minuto enquanto ele era levado de volta ao passado, um passado que na verdade não aconteceu, mas que poderia ter feito tudo ser diferente.
Fim do Capítulo

07 de Abril de 1611
O jardim da mansão Gilbert estava cheio aquela tarde, os pais de Joseph, Robert e Nicole estavam recebendo a visita de alguns amigos da família, amigos mortais. Nicole não entendia porque bruxos se relacionavam com mortais, não tinha muito sentido para ela, mas aquelas pessoas eram agradáveis. A família toda estava reunida, com a exceção de Joseph, que tinha saído cedo de casa para fazer um favor ao pai. Robert, parado ao lado do pai, fingia ouvir a conversa deles e concordava quando falavam com ele, mas sua atenção estava ficada na jovem parada perto da fonte no meio do jardim, a linda Esmeralda, ela usava um longo vestido azul, os longos cabelos negros estavam presos numa trança e tinha lindos e brilhantes olhos verdes. Era a mulher mais linda que ele já tinha visto na vida, nem parecia ser real e consequentemente não conseguia disfarçar o encantamento.
__Porque não vai até lá falar com ela?__ o pai de Robert perguntou em um sussurro só para que o filho ouvisse, tinha reparado no modo como ele olhava a jovem, como estava fascinado.

__O que? Eu?__ Robert pareceu confuso__ o que eu deveria dizer?
__Ela é só uma mulher Robert, não é assim tão difícil, vamos... Não seja covarde__ o pai insistiu, sabia como era o filho, ele era muito tímido quando se tratava de mulheres__ faça um elogio, as mulheres gostam disso.
Robert respirou fundo para criar coragem, mas ainda ficou parado ali por vários minutos antes de conseguir realmente ir falar com ela. Quando ele se aproximou, tímido e claramente envergonhado, Esmeralda sorriu para ele, igualmente tímida, mas subtamente encantada com os brilhantes olhos azuis do rapaz.
__Você é Robert não é mesmo?__ ela perguntou quando ele nada disse.
__Sim__ ele concordou__ Esmeralda não é? É um lindo nome, combina perfeitamente com você.
__Obrigada__ ela sorriu__ você tem lindos olhos.
__Não mais do que os seus__ elogiou perdido naquela imensidão verde.
Assim, Robert foi perdendo a timidez e por horas os dois conversaram ali perto da fonte enquanto os pais deles passeavam pela mansão, colocando os assuntos em dia. Robert nunca tinha se interessado por ninguém, mas tinha algo naquela jovem que o deixava tonto e fazia seu coração disparar enlouquecidamente no peito, ela era tão linda, inteligente e educada, não precisou de muito pra se achar apaixonado. Esmeralda também estava encantada com o jeito tímido e a aparente doçura nele, se sentia a vontade em sua presença, como um amigo, posição que Robert gostaria de modificar muito em breve. Assim, quando ela teve de partir com os pais ele deixou evidente como gostaria de vê-la outra vez e ela concordou.

Mais tarde naquele mesmo dia...

Quando Joseph voltou pra casa os convidados já tinham ido embora, mas a família inteira não parava de falar dos tais mortais amigos de seus pais e mais ainda, da garota que encantara profundamente Robert. Era óbvio para quem olhasse que tinha algo de diferente nele, no modo como falava e como suspirava atoa, Joseph riu percebendo que o irmão mais velho tinha finalmente se apaixonado.
__Estou louco para conhecer essa tal jovem que encantou tão profundamente o meu irmão, deve ser uma deusa para tê-lo deixado tão abobalhado__ provocou fazendo todos caírem na gargalhada.
__É mais que uma deusa, é a criatura mais linda que já vi em minha vida.
__Eu queria ter estado aqui para ver esse momento, uma mortal Robert... Quem diria.
Robert não se deixou irritar pelas piadinhas, pelo contrário, estava muito feliz.
__Vamos nos encontrar de novo__ ele murmurou__ o senhor não se importa não é pai?
__Contanto que não conte nossos segredos a ela, não me importo... Uma paixão sempre faz bem ao coração.
__Meu filho está apaixonado__ a mãe o abraçou__ que lindo, Esmeralda é uma ótima moça.
__Esmeralda?__ Joseph estranhou__ esse é o nome dela?
__Por conta de seus olhos__ Nicole comentou__ tão verdes e brilhantes como uma Esmeralda.
__Interessante, pena que não a vi primeiro__ comentou brincando, e Robert lhe lançou um olhar zangado, fazendo novamente com que todos rissem, e assim se passou à noite, de forma agradável, com todos conversando e rindo alegremente na sala de estar.

29 de Maio de 1611
Depois de tanto ouvir falar da tal Esmeralda, Joseph finalmente a conheceria. Depois de mais de um mês se encontrando com a moça, Robert criara coragem e lhe pedira em namoro e ela aceitara. Hoje era a primeira vez que ela viria à mansão com Joseph em casa, pois sempre que ela aparecia Joseph estava ocupado com alguma coisa e nunca conseguia conhecê-la, estava começando a duvidar de sua existência, pois do modo com o irmão falava dela, de sua beleza e como era incrível, parecia ser alguém inventada.
Estava com o irmão no jardim, rindo de sua evidente impaciência, quando ela chegou, a mulher mais linda que Joseph já vira na vida. Trajava um longo vestido verde, ressaltando as curvas perfeitas de seu corpo e o tom delicado de sua pele, que ao longe parecia delicada demais, como feita de porcelana, ele se pegou imaginando como seria tocá-la. Os cabelos negros estavam trançados, e fitas verdes se entrelaçavam pelos fios, dando delicadeza ao penteado, e os olhos... Eram exatamente como Esmeraldas. Ele se pegou sem fôlego quando ela parou bem a sua frente e sorriu timidamente.

__Joseph__ Robert disse sorridente__ essa é Esmeralda, Esmeralda, esse é meu irmão Joseph.
__É um prazer__ ela disse com sua voz musical__ ouvi falar muito de você.
__O prazer é todo meu__ ele se ouviu dizendo, ainda meio abobalhado__ também ouvi falar muito de você, cheguei a pensar que tamanha perfeição não existia, claramente eu estava enganado.
Ela corou envergonhada, e por um momento os dois se perderam nos olhos um do outro, mas logo Robert tratou de interromper o momento, abraçando Esmeralda e lhe lançando um olhar tremendamente apaixonado.
__Eu disse que ela era incrível__ murmurou e lhe roubou um rápido beijo.
Esmeralda passou o resto do dia na mansão com a família Gilbert, todos a tratando bem e tendo todo cuidado para não usar magia na frente dela.
A jovem era realmente tudo que tinham falado, linda, educada, extremamente inteligente e doce e mesmo sem querer Joseph se pegou encantado por ela, tanto quanto o irmão, e sentia-se mal toda vez que ele a tocava e eles se beijavam, mesmo que rapidamente, não conseguia se livrar da sensação de que ele deveria estar fazendo aquilo e não o irmão.
__Foi um prazer conhecê-la Esmeralda, mas se me dá licença vou me retirar__ ele disse se levantando do sofá.
__Algum problema?__ Robert perguntou confuso, alheio aos sentimentos do irmão.

__Não estou me sentindo muito bem__ Joseph respondeu simplesmente__ não se preocupe, ficarei bem.
E sem mais nenhuma palavra se retirou, sem querer olhar para ela nem mais um minuto. Tinha que espantar aqueles pensamentos da mente, não eram corretos, ela era namorada de seu irmão, aquela sensação ia passar.

11 de Julho de 1611
Joseph estava sentado sozinho na beirada da fonte da mansão Gilbert. Andava isolado dos outros nos últimos dias, sentindo-se tremendamente infeliz sem saber ao certo o porquê. Ou melhor, ele sabia muito bem o porque, só tentava fingir que não era verdade. Tinha se encantado pela namorada do irmão no primeiro momento em que a vira, achava que era algo passageiro que desapareceria logo, mas não foi como aconteceu, muito pelo contrário, a cada vez que a via o fascínio era maior, e a dor por ela estar com o irmão e não com ele ficava mais intensa, quase insuportável, às vezes ele se pegava com raiva da vida e do mundo por sua falta de sorte.
__Joseph, Joseph... __ ele se sobrassaltou quando o irmão apareceu correndo e gritando o seu nome.
__O que foi?__ perguntou espantado__ porque está tão apressado.
__Preciso te contar uma coisa__ ele dizia sem fôlego pela corrida__ sobre Esmeralda.
__Vocês terminaram?__ a frase soou mais alegre do que ele esperava.
__Não, não, de jeito nenhum__ Robert negou__ eu... Eu meio que... Eu contei a ela nosso segredo.
__Você fez o que?__ Joseph o encarou como se tivesse escutado errado.
__Contei a ela que sou um bruxo, mostrei meus poderes e tudo o mais__ Robert explicou.
__Você ficou maluco?__ Joseph se alterou__ porque fez isso? Sabe que é proibido e o que pode acontecer com você e com ela por isso. Ela é uma mortal Robert, o que se passa pela sua cabeça em? Está pondo toda a família em risco.
__Esmeralda nunca contaria a ninguém__ disse convicto__ ela entende e quer ficar comigo mesmo eu sendo diferente, ela me ama tanto quanto eu a amo, sei disso agora Joseph, não é incrível?
Joseph nada disse, ficou encarando o irmão completamente chocado.
. Ele tinha revelado o segredo da família a Esmeralda, e o que o chocava mais não era isso, ou o perigo que corriam pela revelação, mas o fato de que se Robert revelara a ela__ justo ele, tão seguidor das regras__ era porque realmente a amava, não era apenas uma paixão qualquer, e se ela não se importava, era porque o amava também, e ele ficou surpreso com o quanto essa certeza o magoou.
__Joseph, tente me entender, sei que acha estranho o fato de eu namorar uma mortal, mas Esmeralda é especial, eu a amo e não podia esconder isso dela e também não quero que seja punida por isso, me entenda Joseph e prometa que não vai contar a ninguém, não por ela, mas por mim__ implorou.
A vontade de Joseph era dedurar o irmão, mas sabia que seria traição fazer isso, não importava o quanto estivesse zangado e magoado, e além do mais, Esmeralda também sairia perdendo se descobrissem, ele não queria que ela se machucasse.
__Você é louco, mas se te faz feliz não contarei nada a ninguém, tem minha palavra.
__Obrigada irmão__ Robert o abraçou__ muito obrigada.

18 de Setembro de 1611

Robert chegara de um passeio com Esmeralda especialmente feliz aquela noite. Joseph e Robert quase não se falavam nos últimos meses, pois ele andava ocupado demais com a nova namorada e Joseph tentava manter distancia para não enlouquecer, mas aquele dia Robert quis compartilhar sua felicidade e sem saber acabou destroçando o coração do irmão.
Robert contara que tivera sua primeira vez com Esmeralda e que fora maravilhoso. Joseph não queria ouvir, até tentou dizer ao irmão que não era de seu interesse, mas ele simplesmente não parou de falar e ele fora obrigado a ouvir de qualquer jeito, guardando de si a mágoa e a raiva. Ele sabia que não era culpa do irmão, que o errado era ela por querer algo que não era e nunca poderia ser seu, mas não havia como evitar se apaixonar por aquela jovem tão encantadora, ele não conseguia controlar seus sentimentos e cada dia ficava pior.
__Devia contar a ele como se sente__ Joseph se assustou ao ouvir a voz da irmã Nicole.
__Como disse?__ a encarou claramente confuso.
__Devia contar a Robert que está apaixonado por Esmeralda.
__Enlouqueceu menina?__ ele arregalou os olhos e se levantou da cama nervoso__ não fale bobagens.
__Pensa que não reparei? Pensa que não vi como olha para ela? Pensa que não está estampado na sua cara que está completamente apaixonado? Pois se engana irmão__ Nicole disse com um sorriso piedoso__ Robert não vê pois não quer, ou por estar ocupado demais preocupado com outras coisas, mas eu não sou estúpida.
__Não há nada para ser dito, você está errado, está vendo coisas que não existem.
__Joseph, será melhor se ele souber por você. Se descobrir de outra forma, não vai lhe perdoar.
__Não é minha culpa__ ele suspirou sem animo para desmenti-la outra vez__ não pude evitar Nicole. Eu tento manter distancia, tentei ignorar e conhecer outras moças para ver se ela saia de minha cabeça, mas de nada adianta, a cada dia este sentimento dentro de mim cresce e tenho vontade roubá-la e tê-la somente para mim.
__Precisa parar de se sentir assim e confessar-se ao Robert, escute o que estou dizendo.
__Eu gostaria de ter escolha.
__Vai encontrar outra moça e se apaixonar por ela, você vai ver__ ela tentou encorajá-lo.
Mas ele duvidava muito que isso fosse acontecer. Depois da conversa com a irmã, que apesar de nova era incrivelmente sábia, ele decidira se confessar a Robert, talvez isso amenizasse a culpa que sentia, aquela agonia, talvez fosse o primeiro passo para deixar de lado tais sentimentos. Porém quando encontrou o irmão, o viu aos beijos com Esmeralda no jardim e a melancolia deu lugar à fúria, uma fúria cega que ele não conseguiu controlar. Ele era bem melhor que Robert, era mais bonito, mais forte, mais poderoso e inteligente, porque não poderia tê-la? Porque ela tinha que estar com ele?
Deu meia volta e entrou na casa, cego de ódio e tristeza.

8 de Janeiro de 1612

Pelos meses que se passaram, Joseph tentou, fez de tudo que pode pra ignorar seus sentimentos, apesar de toda fúria que o consumia com o passar dos dias. Porém quando Robert apareceu sorridente, para anunciar o seu noivado com Esmeralda, Joseph simplesmente enlouqueceu. Todos os sentimentos confusos que vinha tentando reprimir de repente explodiram dentro dele e ficou desesperado, acabando por minutos mais tarde fazer uma loucura e provocar uma tragédia.
Enquanto Robert comemorava com a família, ele saiu correndo pelo jardim e deu de cara com Esmeralda numa área mais afastada da mansão, ela estava indo de encontro ao noivo. Apesar de ter mantido o máximo de distancia possível, Joseph teve seus contatos com Esmeralda durantes os meses que se seguiram e acabaram por virar amigos, ou pelo menos ela o considerava assim, para ele cada segundo ao seu lado sem poder tocá-la era um martírio. Quando o avistou vindo ao longe, ela lhe sorriu docemente.
__Joseph, que bom vê-lo__ murmurou alegremente__ Robert já lhe contou as novidades?
Ele nada disse até que a alcançasse, parou a sua frente e a segurou pelos ombros com força, não para machucar, mas para não deixá-la fugir. Esmeralda se assustou com a atitude e arregalou os olhos.
__Não pode se casar com Robert__ ele praticamente gritou, completamente fora de controle__ ele não é homem o bastante para você Esmeralda, ele não lhe ama como eu, será que não vê? Não pode se casar.
__Joseph, o que está dizendo?__ ela o encarou apavorada com a loucura que via em seus olhos__ me solte, está delirando.
__Não estou delirando, eu te amo Esmeralda, será que é cega? Porque não consegue ver?
__Nós somos amigos, nada mais__ ela tentou se afastar.
__NÃO__ ele a sacudiu__ não quer ser seu amigo. Sei que também gosta de mim, nos damos muito bem, eu posso ser um melhor marido do que Robert, você precisa largá-lo, não pode se casar Esmeralda, não pode.
__Para com isso, por favor, está me assustando.
Ele a puxou pra junto de si e a beijou, como desejara fazer todo esse tempo, ela não reagiu, não correspondeu, assustada de mais, enojada com uma atitude tão bruta da parte de Joseph, logo ele, alguém tão amável e sempre gentil. Quando ele a soltou, tinha esperança faiscando nos olhos castanhos.
__Então?
__Desculpe Joseph__ ela disse tentando manter a calma, era boa demais para se zangar com ele__, mas eu não me sinto dessa forma, você é um amigo, um irmão para mim. Eu amo Robert, sinto muito.
Os olhos castanhos ficaram escuros de repente e se encheram de ódio, o aperto da mão dele ficou mais forte até que começou a machucá-la, e foi ai que ela finalmente sentiu medo.
__NÃO__ ele gritou__ VAI SER MINHA OU DE MAIS NINGUÉM.
__Joseph__ Robert apareceu gritando ao longe__ Largue Esmeralda agora.
__Você não vai ficar com ela__ ele riu, um riso maníaco, alucinado__ ela vai ser minha.
Robert tentou fazê-lo soltar Esmeralda com educação, mas Joseph estava descontrolado e estava machucando a jovem com o aperto de sua mão. Assustada e em prantos, Esmeralda não viu bem como aconteceu, mas de repente os dois estavam lutando, gritando um com outro, ela tentou fazê-los parar, se pos no meio dos dois, mas de nada adiantou, até que Robert puxou uma faca, sabe-se lá de onde e a enterrou bem no coração de Joseph. Ele congelou com a dor, cuspiu uma rajada de sangue e suas belas feições se contorceram em agonia, um segundo depois estava morto.
Fim do Capítulo

Joseph abriu novamente os olhos sentindo uma dor insuportável no peito, quase podia sentir a faca atravessando seu coração e lhe rasgando as entranhas, como se tivesse acontecido de verdade. Perdeu o ar, o resto das forças, começou a tossir loucamente e pos a mão na boca vendo que era sangue... Será que tinha mesmo acontecido? Por um momento ficou confuso, mas então percebeu que não, o caso é que ele ainda estava morrendo, a maldição estava em seus estágios finais.
Sua visão entrou em foco e ele percebeu que Robert ainda o segurava pela camisa, estava meio em pé e meio caído sobre a cama. A visão fora terrível, como um pesadelo tremendamente real e pensar em Esmeralda nos braços de Robert realmente lhe encheu de fúria, uma fúria tão grande e intensa que era quase palpável, seus olhos brilhavam de ódio naquele momento apesar de toda a dor que sentia... Porque aquele desgraçado tinha que querer tudo que era seu? Porque não podia simplesmente sorrir e ficar feliz por ele?
__O que você achou irmão?__ Robert perguntou sorrindo__ gostou da visão? Viu como deveria ter sido?
__Você está enganado__ Joseph sussurrou quase inaudivelmente.
__O que?
__Eu disse que você está errado__ ele obrigou sua voz a sair, ignorando a dor na garganta seca__ mesmo que eu não tivesse aparecido naquele dia, mesmo que não tivesse conhecido Esmeralda naquela tarde, ela nunca teria se apaixonado por você Robert, ela não nasceu para ser sua, ela só te considerava um amigo. Se fosse pra ela te amar, a minha presença e minha opinião não teriam feito nenhuma diferença.
__Não... Você é que atrapalhou tudo... Você...
__E tem outra coisa em que se engana__ o interrompeu__ eu nunca tentaria roubar ela de você, por mais que me doesse, por mais que destruísse ver a mulher que eu amo com meu irmão, eu não teria me metido no meio, eu teria engolido minha dor e sofrido sozinho. Eu teria ficado feliz por você, por você estar apaixonado e contente, eu teria te apoiado e não te apunhalado pelas costas como me fez... Eu não sou como você Robert, eu não sou assim. Tudo que eu queria era ser feliz, ao lado da minha família e você arruinou tudo com seu egoísmo.
__Quer saber de uma coisa? Eu me cansei de você__ Robert murmurou.
Ele começou a falar, a reclamar e a jogar a culpa de tudo em cima de Joseph, como sempre fazia, descontrolado por seu ódio, pela raiva que sentia. Assim, sem que Robert percebesse, Joseph juntou suas forças, ignorando as dores e enfiou a mão embaixo do travesseiro, puxando discretamente a faca enfeitiçada que tinha escondido ali mais cedo.
Ele cuspiu outra lufada de sangue, o ar foi lhe fugindo dos pulmões e a vista escureceu até que não pudesse ver mais nada, mas agarrou com força o punho da faca, e de repente as palavras do Oráculo ecoaram em sua mente.
Somente uma coisa e maior que o desejo de Robert por poder, é o ódio que sente pelo irmão.
__Morra irmãozinho__ Robert sussurrou divertido.
__Você__ Joseph se forçou a dizer, de olhos abertos vendo apenas a escuridão, as palavras estavam entaladas ali, não queriam sair, mas ele não ia desistir__ você destruiu a minha vida... Matou tudo e todos que eu amava__ ele agarrou a gola da camisa do irmão, se segurando a ele com força__ eu vou morrer, mas você vem comigo seu merda.
E sem mais delongas enterrou a faca enfeitiçada no coração de Robert. Ele já não enxergava, mas podia ouvir o coração de Robert bater acelerado e soube o que deveria fazer, ele não morreria e deixaria o irmão para trás. Robert gritou em agonia ao sentir a lâmina perfurar-lhe o peito, e largou Joseph, que sem força alguma caiu na cama, sem conseguir se mexer. Ele ouviu o irmão agonizando, sem acreditar que aquilo estava acontecendo.
__Como... Não pode ser... __ ele tentava dizer enquanto a vida se esvaia e o sangue jorrava sobre a roupa.
Com a certeza de que tinha cumprido com sua tarefa, Joseph fechou os olhos, deixando finalmente o cansaço tomar conta. Somente uma coisa é maior que o desejo de Robert por poder, é o ódio que sente pelo irmão, ouviu novamente a voz dizer. No meio da escuridão vislumbrou o rosto delicado de Demi sorrindo docemente para ele, foi a ultima coisa que viu antes da escuridão o abater. Seu coração parou de bater segundos antes do de Robert.
Os irmãos Gilbert estavam mortos.
Sentada no chão da caverna de gelo, com o corpo de Eric nos braços, Demi chorou como nunca antes em toda sua vida, tomada por um dor e por um desespero sem iguais. Não sabia dizer quanto tempo ficou ali olhando pros olhos cinzentos e sem vida de Eric, mas em algum ponto lembrou de que o mundo não pararia para que ela se recuperasse de sua dor, ela ainda precisava deter Robert.
Com cuidado, deitou o corpo de Eric no chão e se levantou, olhando para noite lá fora, para o seu coberto pelo véu de energia negra até onde sua vista podia alcançar, faltava muito pouco para o processo estar completo e ai não haveria como reverter, ela precisava fazer aquilo parar. Correu até o centro da caverna e esticou as mãos para tentar arrancar a pedra do lugar, mas ao tocá-la sentiu a pele queimar e teve de afastar as mãos rapidamente, deixando escapar um grito de dor, aquilo estava absurdamente quente, a pele de suas mãos ficou em carne viva.
__Mas que droga__ ela resmungou.
Tentou lançar feitiços para tirar a pedra dali, mas ainda era inexperiente na arte da magia e não conhecia nada que fosse de grande ajuda. Olhou em volta desesperada a procura de algum objeto que pudesse utilizar, mas as lágrimas e o desespero estavam embaçando sua visão, a respiração vinha pesada e a culpa era sufocante, se ela não fizesse nada o mundo estaria perdido.
__Eu... Eu não sei o que fazer__ se pegou desejando desesperadamente que Joseph estivesse ali com ela. Ele saberia o que fazer, e mesmo que não soubesse a faria acreditar que tudo ficaria bem.
__Você pode fazer isso Demi, não se desespere__ o grito ficou sufocado na garganta quando seus olhos focaram uma figura ao lado da estrutura de gelo... Era Esmeralda... Mas ela estava morta, o que fazia ali? Demi sacudiu a cabeça certa de que estava louca e a encarou de olhos arregalados__ não tenha medo, sabe que não estou realmente aqui... Estou dentro de você Demi.
__Você é melhor que eu... Você deveria estar viva... Você saberia o que fazer__ disse nervosa, tanto faz se estivesse louca ou não, estava tudo indo por água abaixo mesmo__ não sei o que devo fazer... Vou decepcionar todo mundo.
__Você está assustada, é normal, mas não deixe isso te impedir.
__Eu tentei de tudo Esmeralda, nenhum feitiço, nada pode parar essa coisa__ ela resmungou chorosa.
__Você é uma boa bruxa Demi, inocente ainda, mas incrível... Mas acima de tudo, assim como eu, você é uma mortal, seu coração é mortal e devia saber__ ela sorriu gentilmente__ nem tudo se revolve com feitiços, algumas coisas devem ser feitas sem magia.
Demi encarou a estrutura de gelo, a pedra negra e a energia que saia dela subindo em direção ao céu.
__Eu tentei tocá-la mais...
Parou por um instante e olhou em volta, havia na caverna alguns objetos que provavelmente Robert levara para lá, para montar seu refugio, ou seja lá o que fosse, objetos que não eram da caverna, dentre eles havia uma barra de ferro jogada no canto. Demi correu até ela, a pegou com determinação, estava fria, extremamente fria, mas se concentrando não a soltou enquanto se aproximava novamente da pedra.
Esmeralda sorriu encorajando__ Por Joseph.
__Não__ Demi negou com a cabeça, apertando a barra com mais força__ por Robert... Vá para o inferno desgraçado.
E então acertou a barra fria com toda sua força na estrutura de gelo, que se partiu com o impacto em mil pedacinhos, espalhando gelo quebrado para todos os lados. Demi largou a barra e tampou os olhos, sentindo a pele ser cortada pelos pedaços e uma explosão de luz encher a caverna. Ela caiu no chão frio, atordoada e por um momento ficou ali encolhida esperando... Quando abriu os olhos de novo a véu negro sobre o céu tinha se dissipado, Esmeralda havia desaparecido e a pedra negra estava ali ao seu lado, não brilhava mais, parecia morta.
Lentamente ela estendeu a mão e a segurou, a escuridão foi se dissolvendo até que a pedra voltou a sua cor normal, aquele leve violeta. Estava feito, ela não sabia tinha impedido a tempo, mas fechou novamente os olhos e se deixou levar pelo cansaço.
Fim do Capítulo

Lentamente, Demi abriu os olhos. Estava confusa, não sabia exatamente onde estava, ou há quanto tempo estava adormecida, mas se sentia... Diferente. Forçou seu corpo a se levantar e percebeu que estava em uma cama macia, a cama do seu quarto, notou com uma pontada de alivio. Não havia mais dores pelo seu corpo, ou marcas, ela até parecia menos pálida que antes.
__Até que enfim você acordou bela adormecida__ ela ergueu os olhos, notando que não estava sozinha e se surpreendeu ao ver Eric sentado na beirada da cama sorrindo para ela. Seu coração disparou dentro do peito, será que ela tinha imaginado tudo aquilo? Tinha sido tudo um sonho? Ou pior... Ela tinha morrido também?__ uau, você parece assustada, eu sou assim tão feio?
__Eu morri?__ sua voz saiu esganiçada, não parecia ela falando.
Eric soltou uma risada divertida e aquele som a aqueceu por dentro.
__Não, você não morreu Demi, está bem viva__ ele garantiu__ e eu também.
__Mas eu vi você morrer__ ela murmurou confusa__ eu estava sonhando?
__Não, eu realmente morri__ ele estendeu a mão para segurar a dela__ seu pai encontrou agente na caverna pouco depois que você parou o processo de transformação dos mortais. Estava segurando a pedra mágica, dizem que se pode fazer qualquer coisa com ela, até coisas impossíveis... Bem... Ele me trouxe de volta a vida e aqui estou.
__Então... Oh...
Ela se atirou em cima e o abraçou apertado, lágrimas de alívio escorrendo pelos olhos, nem acreditava, ele estava vivo.
__Seu idiota__ ela se afastou e deu um tapa nele__ como pode fazer aquilo? Você quase me matou de tristeza e desespero.
__Sem drama Dems__ ele revirou os olhos.
__Você morreu por mim__ ela sussurrou__ eu... Eu não merecia. Sinto-me mal sabendo que... Que não posso corresponder.
__Hey pode parando__ ele pediu__ não vai começar a pedir desculpas né? Eu já disse que ta tudo bem, escuta Demi, mesmo que eu não fosse apaixonado por você, mesmo que a visse somente como amiga e nada mais eu teria feito à mesma coisa, você é uma boa pessoa, alguém por quem vale a pena morrer, ponto final.
__Mas Eric...
__Demi__ ele a interrompeu__ eu estou bem, sério. Seria mentira minha se eu dissesse que não gosto de você dessa forma, mas eu estou com a Miley agora, e eu gosto dela. Quer dizer, gosto da companhia dela, e estou aprendendo a ver você como amiga e ela como minha namorada, estou realmente... Começando a me apaixonar por ela. Com o tempo as coisas serão como deveriam ser desde o inicio e isso não vai mudar nada entre nós.
__Jura?
__Sim, a Miley é incrível e... Estou feliz__ ele deu de ombros__ morreria por ela assim como fiz por você, é como as coisas são Demi, não tem que se sentia culpada por nada, de verdade. Somos amigos.
__Obrigada__ ela sorriu e o abraçou de novo__ fico feliz de ouvir isso.
Ficaram ali abraçados e em silencio por um tempo, Demi nem podia acreditar que ele estava vivo, que ela mesma ainda estava viva.
__Espere, o que aconteceu? Quanto tempo apaguei? Eu consegui impedir o plano de Robert? Onde ele está? E Joseph?
__Hey, uma coisa de cada vez__ Eric pediu confuso.
__Desculpe__ ela disse envergonhada.
__Você ficou desacordada por pouco mais de um dia__ ele explicou__ estava cansada e fraca. E sim, você conseguiu impedir o processo a tempo, pouco antes de ele se completar. Os mortais continuam mortais, mas algumas pessoas morreram naquele meio tempo e isso não tivemos como mudar, de qualquer forma, foi uma perda pequena comprada com o que poderia ter sido.
Ela assentiu um pouco aliviada, embora triste pelas pessoas que morreram.
__E Robert?
__Está morto, e como conseqüência algumas coisas que ele fez foram revertidas... Você parece você de novo.
__O que?__ Demi se esticou para olhar no espelho do outro lado do quarto, ela realmente parecia novamente com ela. Estava corada, os cabelos estavam novamente castanhos e os olhos também, os traços de Esmeralda haviam desaparecido completamente, parece que ela finalmente ela descansou em paz... Ela finalmente se foi por completo__ como ele morreu?
__Joseph o matou__ Eric respondeu__ enterrou a faca enfeitiçada no coração dele quando veio aqui confrontá-lo. Parece que o Oráculo estava certo, o ódio que Robert tinha por Joseph era maior que sua sede de poder e isso foi sua ruína, a raiva o cegou e ele acabou morrendo.
__Isso quer dizer que Joseph está bem, que conseguiu quebrar a maldição__ ela sorriu__ onde ele está? Porque não está aqui?
Eric se mexeu na cama de forma desconfortável e o sorriso de Demi se desfez.
__O que foi?
__É complicado__ ele fez careta__ você devia ver por si mesma. Venha comigo__ ele se levantou e estendeu a mão pra ela__ seu pai vai poder te explicar melhor o que aconteceu.
__Eric...
__Só venha comigo Demi__ ele insistiu.
Mesmo receosa, Demi pegou a mão dele e o seguiu. Com o coração na garganta ela deixou que Eric a guiasse pelo corredor em direção ao quarto de Joseph. Michael Gilbert, seu pai, estava lá, escorado na parede de braços cruzados, observando com atenção Joseph, que estava deitado na cama de olhos fechados, parecia estar dormindo.
__O que... __ ela soltou a mão de Eric e foi até lá, sentando na cama ao lado dele.
__Ele morreu__ Michael murmurou.
O coração de Demi parou de bater__ mas ele matou Robert...
__Sim, ele enterrou a faca no coração de Robert, mas morreu pouco antes do irmão, por isso maldição não foi quebrada a tempo.
__Porque não o trouxe de volta como fez com Eric?__ seus olhos se encheram de lágrimas__ porque não usou a pedra?
__Nós usamos__ ele garantiu__ mas a situação dos dois era diferente. O feitiço que matou Eric era mais simples, Joseph foi amaldiçoado. Nós usamos a pedra, houve uma reação, da mesma forma que aconteceu com Eric, mas quando terminamos ele não acordou, continuou ai deitado, sem se mexer, não sabemos se não funcionou ou se algo deu errado.
__Não__ ela sussurrou.
__Esperamos você acordar pra decidir o que fazer... Não temos mais nenhuma ideia.
Apesar de não estar respirando e de não pode ouvir o coração dele bater, Joseph não parecia morto, era apenas como se estivesse em um sono profundo e tranquilo. Demi se deitou na cama ao lado, deitando a cabeça em seu peito e o abraçando com força.
__Acorda Joseph__ ela sussurrou__ Volta pra mim.
Joseph estava no espaço, flutuando em um vazio negro quando uma energia o envolveu. De inicio foi como acordar de um sonho e quando deu por si estava em casa, no enorme jardim da mansão Gilbert, a casa onde cresceu e foi imensamente feliz. A mansão estava inteira, nova em folha como se nunca tivesse sido abandonada e parados perto da escada de entrada estava sua família. Sua mãe com o sorriso acolhedor e maternal de que ele se lembrava, seu pai, forte e com o olhar cheio de sabedoria, sua irmã Nicole, linda e com um sorriso malicioso que era bem típico dela e Esmeralda também estava ali, maravilhosa como sempre, iluminando e perfumando o dia como uma flor.
Lentamente Joseph caminhou até eles, sorrindo, contente por vê-los depois de tanto tempo, a saudade era tão grande. A primeira que abraçou foi sua mãe, ela lhe acolheu em seus braços e acariciou seus cabelos gentilmente como fazia quando ele era pequeno.
__Você está tão lindo meu filho__ ela murmurou sorrindo.
__Mãe, senti tanto sua falta__ ele disse com lágrimas de alegria nos olhos.
__Eu sei querido, eu sei__ ela lhe acariciou a bochecha.
Ele olhou para seu pai então, que agora também sorria e pousou a mão em seu ombro.
__Estou orgulhoso de você, todos estamos__ ele disse.
__Mas... Eu estraguei tudo, eu causei a morte de vocês__ Joseph disse se sentindo culpado e encaro a irmã__ Nicole...
__Não foi sua culpa irmão, eu fiz minha escolha, todos fizemos.
Joseph os encarou em silencio por um momento.
__Estou morto?
__Quase isso__ foi Esmeralda quem falou e ele se virou para fitá-la, perdeu o fôlego por um instante, como sempre acontecia quando a admirava, parecia que fora ontem que a vira a ultima vez.
__Bem, acho que já estava na hora__ ele deu de ombros e ergueu a mão pra acariciar o rosto dela__ vivi tempo demais, estou cansado, chegou à hora de me juntar as pessoas que amo.
__Não__ ela negou com um sorriso doce, gentil como sempre__ ainda não está na sua hora Joseph, as pessoas que você ama estão o esperando bem longe daqui, esperando que você acorde. Seus amigos lembra? Nicholas, Eric, Selena, Olívia, Sarah, Miley e Michael. Todos eles precisam de você vivo. Você tem que voltar.
__Mas não sei se quero voltar__ ele disse confuso__ não quero mais sofrer, quero ficar com vocês, sinto saudade.
__Mas e Demi?__ Esmeralda perguntou__ vai abandoná-la?
Joseph vacilou ao ouvir o nome dela. Estava cansado, queria se render à paz que sentia naquele instante, ficar com a família para sempre, a família que morrera por ele, mas como podia abandonar Demi?
__Ela precisa de você__ Esmeralda sussurrou.
__Mas você...
__Oh Joseph__ ela entrelaçou as mãos dele nas suas__ espero que não se esqueça de mim, mas nunca foi nosso destino ficar juntos, era assim que tinha que ser. A mulher da sua vida não sou eu, você sabe disso, sente bem aqui__ pousou a mão sobre o coração dele.
Volte para mim, uma voz suave sussurrou.
Joseph se virou e viu Demi parada em pé no meio do jardim, tinha a mão estendida em sua direção e sorria, um sorriso lindo, com os cabelos castanhos voando com o vento, os olhos brilhando. Ele olhou de volta para a família, ainda tentado a se render.
__Eu...
__Ainda não está na sua hora__ sua mãe disse__ nos encontraremos um dia, mas não hoje.
Volte para mim, Demi repetiu.
Joseph suspirou, queria ficar com a família, mas o desejo de estar ao lado de Demi se fazia cada vez maior. Ele se soltou de Esmeralda e com o ultimo olhar na direção dos familiares que tanto amava e sentia falta, caminhou em direção a Demi. Segurou a mão dela, quente e macia e sorriu, a abraçando apertado, enterrando o rosto em seus cabelos, o perfume era tão bom, e nem a paz que sentia na presença da família era melhor do que a sensação de estar nos braços dela.

Volte para mim, ela sussurrou em seu ouvido enquanto lhe acariciava os cabelos, Volte para mim Joseph.
Novamente ele se sentiu flutuar, mas dessa vez não estava sozinho no escuro e sim seguro e confortável nos braços dela. Sentiu o peito arder como se tivesse fogo correndo nas veias, e abriu os olhos de repente, sentindo o ar entrar nos pulmões, tão bom, tão certo. A primeira coisa que avistou foi o rosto de Demi o fitando com um lindo sorriso e lágrimas nos olhos.
__Você voltou para mim__ ela sussurrou maravilhada.
Joseph apenas sorriu e a abraçou apertado... Agora sim estava em paz.
Fim do Capítulo

Depois de ultima olhada no espelho pra ter certeza de que tudo estava em seu lugar, Demi foi caminhando até o quarto de Joseph. Ele passara os últimos dias descansando para se recuperar de tudo que houve, afinal de contas ele tinha morrido e voltado, o que não era fácil para ninguém, nem mesmo para um bruxo. Demi estava contente por estar parecendo ela mesma de novo, já não via mais Esmeralda quando se olhava no espelho e embora agora tivesse um grande apresso pela moça que nunca realmente conheceu, estava feliz por ter se livrado dela para sempre.
Sua mente ainda estava confusa e ela não se lembrava de tudo que tinha acontecido, seu pai dissera que as memórias voltariam com o tempo, ela só precisava de paciência e bem... Ela tinha seus poderes de volta, era de novo uma bruxa. A parte boa de toda a confusão, era que Robert estava morto e seus amigos e Joseph estavam bem... Tudo estava bem.
Ela entrou no quarto e Joseph sorriu ao vê-la.
__Bom dia__ ele disse, tinha passado a maior parte do tempo dormindo e quase não falara com Demi.
__Bom dia, como se sente hoje?__ ela se sentou na cama na frente dele.
__Melhor do que esperava__ deu de ombros__ como estão os outros?
__Bem, estão todos bem__ ela respondeu suspirando__ meu pai está tentando decidir o que fazer com a pedra mágica. Ela ainda funciona claro, mas ele acha perigoso deixá-la solta por ai, sabe como é.
__Ele está certo em se preocupar.
__Tem uma coisa que não entendo__ Demi confessou__ Quando Robert pegou a pedra ela ficou negra, estava repleta de magia negra, era pra ser uma coisa ruim não é mesmo? Mas depois ela voltou à cor normal e fica emanando uma energia boa.
__A pedra reflete a energia de quem a utiliza Demi__ ele explicou segurando a uma mão dela e brincando com a ponta dos seus dedos__ Robert tinha magia negra, estava cheio de ódio e tudo mais.
__Mas quando eu a segurei ela ficou violeta... Era pra ter continuado negra e eu nem sequer tinha mais poderes.
__Mesmo sem os seus poderes, você continua sendo uma bruxa Demi, nada pode mudar sua natureza, você só não podia fazer mágica. E quanto à magia negra, apesar de você a ter com você, ao contrário de Robert seu coração é puro e bondoso, foi isso que a pedra refletiu quando você a segurou.
Ela sorriu observando sua mão na dele.
__Foi muito difícil?__ Demi perguntou__ matar ele?
__Me julgaria se eu dissesse que não?
__Não__ ela garantiu__ eu entendo.
__Eu gostaria que não fosse preciso ter que fazer aquilo, mas não havia opção e ele mereceu__ deu de ombros__ acabou agora.
Ela concordou distraidamente, os pensamentos distantes.
__O que foi?
__As coisas ainda estão confusas na minha cabeça__ Demi confessou__ sobre o tempo que fiquei conectada a Robert.
__É normal, pode ser que não se lembre, ou que as memórias voltem com o tempo. A verdade é que não há nada que valha a pena se lembrar, você apenas sofreu naquele tempo.
__É verdade, mas... __ ela abaixou os olhos envergonhada.
__Mas o que?__ ele quis saber o motivo da vergonha dela.
__É que tivemos a nossa primeira vez e eu nem ao menos lembro como foi__ confessou em um sussurro.
Joseph sorriu estendendo a mão para erguer o rosto dela e fazê-la olhar em seus olhos.
__Se isso te preocupa__ ele murmurou__ podemos ter a nossa segunda primeira vez.
Ela corou violentamente, sentindo o coração saltar dentro do peito.
__Seria legal__ sussurrou com a voz falha.
Gentilmente Joseph a puxou para mais perto de seu corpo, iniciando um beijo tranquilo e apaixonado, mas que incendiou ambos por dentro. Demi sentiu o estomago revirar de ansiedade e expectativa, lembrando das imagens e sensações que às vezes a invadiam quando estava com Joseph. Aprofundou o beijo, esquecendo do mundo em volta, mas ele a segurou pelos pulsos e a afastou gentilmente, respirando com dificuldade.
__O que foi?__ ela perguntou confusa.
__Nada, é só... Tem uma coisa que eu preciso fazer antes.
Ela concordou sem fazer perguntas e o ajudou a se levantar. Ele pegou um embrulho em cima da cômoda e juntos eles saíram para o quintal. Pararam perto do celeiro e Demi observou enquanto abria o embrulho e tirava de dentro seu diário.
__O que vai fazer?
__Chega de diários, já me deu muito trabalho__ ele murmurou__ hora de seguir em frente e esquecer o passado.
Ele segurou o diário na frente do corpo e Demi observou em silencio enquanto ele começava a esquentar e de repente a pegar fogo, queimando aos poucos até virar completamente cinzas e voar com o vento, desaparecendo no ar. Depois, ainda sem dizer nada, Joseph pegou a pedra mágica e a guardou dentro do celeiro, junto com todos os outros objetos mágicos lá dentro, então fechou a porta e murmurou alguma coisa que Demi não entendia.
Era apenas uma medida temporária, enquanto não decidiam o que deveria ser feito da pedra, afinal era um objeto poderoso e perigoso também, se caísse nas mãos erradas, como aconteceu com Robert, sabe-se lá o que poderia acontecer.
__Pronto__ ele disse com um suspiro__ acabou agora.
Ele se virou para ela e a abraçou sorrindo.
__Onde tínhamos parado mesmo?
__Espere__ ela o afastou rindo__ tenho uma surpresa para você antes.
__Surpresa é?__ ergueu a sobrancelha curioso.
__Acho que você vai gostar.
Ela o abraçou novamente, e juntos se teletransportaram dali, a sensação ia ficando menos desagradável com o tempo, Demi percebeu contente. Quando pararam, Joseph percebeu que estavam na sua casa, à mansão Gilbert, mas ela não estava mais abandonada e destruída, como quando estivera ali da ultima vez. Agora ela estava nova em folha, até o jardim e a fonte, como ele se lembrava da visão que Robert mostrou, ou de quando “morreu”.
__Eu e os outros concertamos juntos__ Demi disse__ achei que agora que todo o perigo passou, você fosse gostar de voltar para casa. Meu pai ficou super animado com a ideia, afinal ele também morou aqui.
__Incrível__ Joseph sorriu maravilhado__ incrível.
Juntos os dois exploraram a casa, nova em folha e Joseph se sentiu em paz, feliz de novo como uma criança de volta ao lar. Pretendia fazer algumas mudanças na decoração, deixá-la mais moderna, colocar ali novas lembranças. Ia começar tudo de novo, sua nova vida ia finalmente começar.
Demi também estava extremamente feliz. Seu pai tinha decidido ficar por perto agora que não tinha mais motivos para se esconder, ele queria recuperar todo tempo perdido com ela. Suas tias estavam bem, felizes e Selena e Nicholas estavam melhores do que nunca, assim como Eric, que cada vez estava mais envolvido com Miley, e nada deixava Demi mais aliviada e alegre do que ver seu melhor amigo tão bem. E é claro... Joseph estava com ela.
__Seu quarto__ ela disse__ novinho em folha.
Ele sorriu observando tudo.
__Sabe, quando eu estava morrendo, Robert me mostrou uma visão, me mostrou como teria sido se eu não tivesse aparecido naquela tarde e conhecido Esmeralda. Na verdade, era como ele gostaria que tivesse sido. Naquele momento eu percebi o quanto ele me odiava, ele realmente acreditava que eu tinha arruinado sua vida, ele nunca entendeu que foi ele que se destruiu sozinho.
__Você imagina como teria sido?
__Todos imaginamos, é a pergunta que sempre nos acompanha... “E se?”
__Eu tenho a minha própria versão do “e se”__ Demi comentou__ nela minha mãe estaria viva ao lado do meu pai.
__Eu também tenho a minha__ ele garantiu__ mas mesmo com poder para fazer isso se tornar realidade, eu não mudaria nada, gosto de tudo como está agora, apesar da dor e do sofrimento. Tudo isso me fez crescer, me fez mais forte e me preparou para enfrentar o mundo e seja lá o que mandar. Percebi depois de tudo que aconteceu, que tenho tudo que quero, não preciso de mais nada.
Demi sorriu, um sorriso lindo, o mais lindo que ele já vira. Não fazia ideia de como era bom pra ela ouvir aquilo.
__Então__ ele murmurou descontraído, um sorriso malicioso nos lábios__ sobre a nossa primeira vez...
Demi olhou pra baixo, pra ver os botões de sua blusa se abrindo sozinhos enquanto Joseph a fitava e riu, uma risada contagiante.
__Gilbert, Gilbert__ ela mordeu o lábio sorrindo, se aproximou o segurando pela gola da camisa e o beijou, os dois caindo juntos sobre a cama macia do quarto. Estavam enfeitiçados um pelo outro, apaixonados e agora não havia mais nada que pudesse atrapalhá-los.
Fim



6 comentários:

  1. Posta Logo a proxima fic por favor

    ResponderExcluir
  2. Awwwwwwwww Amei esse final, amei a fic inteira!!!!
    Estou ansiosa para a nova fic!!! *O*
    Posta logo :D xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo NÉ ... Ai gostou ta nova web ? Postei ... Beijos

      Excluir