sexta-feira, 29 de junho de 2012

Capitulo 12 (Maratona)


Lealdade e Honra.

Cidade de Vurdock

A pequena caravana do Rei chegou à cidade de Vurdock depois de um dia e meio de viagem. Tinham prendido o soldado de Severac na cidade e decidiram deixá-lo preso lá mesmo, para evitar o risco de fuga, assim expulsaram uma família de uma casa e fizeram dela seu cativeiro. Quando Joseph chegou, o homem estava amarrado a uma cadeira e não parecia nenhum pouco preocupado com o que lhe aconteceria, na verdade ele estava até mesmo sorrindo.
Joseph ascendeu à lareira no canto do cômodo e começou a depositar alguns objetos em cima da mesa, enquanto o fazia o soldado o observava divertido. Ele sabia o que estavam prestes a fazer e sorria como se visse uma prostituta dançar nua para ele.
__Como é seu nome?__ Joseph perguntou.
__Me chamo Carlos__ ele respondeu tranquilamente__ mas meus amigos me chamam de ligeirinho, sabe, porque sou rápido. Infelizmente parece que não fui rápido o bastante dessa vez, seus homens correm bastante.
__É um prazer Carlos__ Joseph disse sorrindo__ eu me chamo Joseph, mas gostam de me chamar de Cavaleiro das sombras.

__Ah, Klaus lhe mandou para me assustar não é mesmo? Homem esperto. Mas na verdade é um prazer conhecê-lo, já ouvi tantas histórias sobre você, é verdade que cortou fora o membro de um homem e o fez engolir as próprias bolas? Deve ter sido uma cena muito engraçada__ ele disse rindo.
__É uma boa história, mas eu não toco no membro de outros homens__ Joseph ergueu uma faca e a fitou atentamente__ muitas coisa que falam sobre mim são mentiras, as pessoas gostam de inventar. É verdade que todos que me enfrentaram morreram, mas eu não sou um demônio e também não comi as tripas de um dos homens que matei.
__Decepcionante__ Carlos fez careta.
Joseph o fitou com atenção, não esperava que ele continuasse assim tão calmo e debochado.
__Você é um homem corajoso Carlos, a maioria dos homens se borra ao saber quem eu sou.
__É uma reação inteligente__ ele concordou__ mas nunca fui um homem muito esperto e não tenho medo da morte. Na verdade seria uma honra morrer lutando com uma lenda como você, o que não é o caso, já que vai torturar covardemente até a morte não é mesmo?
__Ah, Klaus lhe mandou para me assustar não é mesmo? Homem esperto. Mas na verdade é um prazer conhecê-lo, já ouvi tantas histórias sobre você, é verdade que cortou fora o membro de um homem e o fez engolir as próprias bolas? Deve ter sido uma cena muito engraçada__ ele disse rindo.
__É uma boa história, mas eu não toco no membro de outros homens__ Joseph ergueu uma faca e a fitou atentamente__ muitas coisa que falam sobre mim são mentiras, as pessoas gostam de inventar. É verdade que todos que me enfrentaram morreram, mas eu não sou um demônio e também não comi as tripas de um dos homens que matei.
__Decepcionante__ Carlos fez careta.
Joseph o fitou com atenção, não esperava que ele continuasse assim tão calmo e debochado.
__Você é um homem corajoso Carlos, a maioria dos homens se borra ao saber quem eu sou.
__É uma reação inteligente__ ele concordou__ mas nunca fui um homem muito esperto e não tenho medo da morte. Na verdade seria uma honra morrer lutando com uma lenda como você, o que não é o caso, já que vai torturar covardemente até a morte não é mesmo?
__Oh merda__ ele resmungou rindo__ agora terei de me masturbar com a outra mão.
__Onde fica o esconderijo do Rei Robert?__ Joseph perguntou novamente.
__Porque não procura no meu bolso? Talvez ele esteja lá dentro__ sugeriu.
Joseph arrancou mais dois dedos, vendo o sangue escorrer da mão do homem, que depois do grito voltou a sorrir.
__Vai falar agora?
__Está perdendo seu tempo cavaleiro das sombras__ Carlos disse__ não vou entregar meu Rei. Tenho Lealdade e Honra, coisa que você não sabe o que significa. É o melhor soldado que existe, mas trabalha do lado errado.
Joseph se virou para um de seus homens, limpando o sangue das mãos.
__Traga aquele ferro quente por favor__ pediu__ talvez ele se sinta mais inclinado a colaborar se eu enfiá-lo no rabo dele.
__Hum, nunca fui fudido por trás, será uma experiência interessante__ Carlos debochou.
Os homens se entreolharam, nunca viram um homem como aquele. Porque ele continuava rindo? Joseph pegou o ferro.
__Abaixem as calças dele__ ordenou.
__Ah, eu quase me esqueci__ Carlos murmurou enquanto lhe tiravam as calças__ O Rei Robert mandou um recado. Disse que vão se arrepender profundamente por terem capturado a princesa Demetria, disse que tudo que fizeram com ela, farão em dobro com todos vocês.
__Será uma tarefa interessante, sendo o que o Rei Klaus a fode quase todas as noites.
__Cometeram um grave erro__ Carlos disse agora sério, parando de rir um momento__ pensa que somos idiotas, que somos fracos? Vocês tomaram nossa cidade, mataram boa parte dos nossos homens e também muitas pessoas inocentes, até mesmo crianças, mas pensam que vão sair impunes? Que são invencíveis? O Rei Robert está montando um exercito e vai foder com todos vocês um por um, vão se arrepender seus bárbaros__ e voltou a rir__ SEU BANDO DE MERDAS.
Joseph parou um minuto, então entregou o ferro a um de seus homens.
__Perguntem a ele de novo onde é o esconderijo, se ele não disser arranquem fora seu membro e se mesmo assim continuar rindo, sejam criativos__ ele sorriu__ tenho que tratar de um assunto.
__ESPERE COMANDANTE, NÃO VÁ EMBORA AINDA__ ele pediu__ AINDA TENHO CINCO DEDOS SOBRANDO.
Mas ele não ouviu o que homem dizia, saiu da casa indo em direção a cabana onde o Rei estava. Porém antes que chegasse lá, ouviu um som alto e ensurdecedor e se abaixou para se proteger quando a casa de onde ele acabara de sair explodiu, espalhando destroços para todos os lados. Uma chuva de fogo vermelho vivo.

Armadilha

__Era uma armadilha__ Joseph murmurou, estava agora parado na frente do Rei tentando lhe explicar o que tinha acontecido mais cedo. Estava sujo de poeira, terra e cinzas, e tinha um corte no rosto onde um dos destroços da explosão o acertara. Na verdade ele também devia estar morto àquela hora, fora por muito pouco__ o homem foi pego de propósito, sabiam que íamos querer interrogá-lo.
__Como ele causou aquela explosão__ Klaus quis saber__ nunca vi nada igual aquilo.
__Não sei dizer senhor__ Joseph confessou__ sinto muito, eu devia ter notado que era uma armadilha.
__Não foi sua culpa, você não estava aqui quando pegaram o homem, mas os outros incompetentes sim.
__O soldado Carlos, estava tranquilo demais, não parecia preocupado__ Joseph contou__ ele disse... Ele disse que o Rei Robert estava montando um exercito e que iria acabar conosco, mas não sei de onde ele poderia arranjar homens o suficiente para nos abater, a maioria de seus aliados estão agora do nosso lado e os outros Reinos tem medo de nós, eles nã fazem nenhum movimento, estamos de olho.
__Aquele desgraçado__ Klaus resmungou__ o velho é mais esperto do que eu pensava. Perdeu apenas um homem e levou quase vinte dos meus de uma única vez. E ele continua me vencendo, não importa o que eu faça.
__Acho que o esconderijo dele não fica no Leste__ Joseph comentou__ acho que Carlos estava querendo nos despistar.
__E mais uma vez voltamos à estaca zero__ Klaus riu, mas não havia humor algum no gesto.
__O que devemos fazer Alteza?
Klaus pensou no assunto por um instante, batendo o pé no chão com impaciência.
__Quero volte a Murdor__ ele disse__ e aguarde ordens minhas.
__Senhor?__ ele estava confuso.
__Volte para Murdor Joseph, cuide de tudo por mim, vou ficar aqui um tempo. Tenho um plano, confie em mim... Mas quero você em Murdor por enquanto, de olho na princesa e comandando nossos soldados de lá. Eu acho que sei o que aquele desgraçado está tramando, mas se pensa que pode enganar está errado.
__Alteza...
__Só obedeça Joseph, volte para Murdor agora mesmo.
__Como quiser Alteza__ fez uma reverencia.
Mesmo contra sua vontade, Joseph se retirou, pegou seu cavalo negro e partiu da cidade. Não sabia o que Klaus estava tramando, mas provavelmente era alguma estupidez que acabaria com muitas mortes. Pelo menos ele não teria de ficar ali para ver.

Dívida Eterna

Já fazia três dias que o Rei, o comandante e alguns soldados partiram da cidade em uma missão misteriosa. Demetria não sabia o que foram fazer, mas se pegou desejando que voltassem logo, principalmente o comandante. Não gostava do homem que ele tinha designado para vigiá-la, o homem era estranho e a olhava de forma nada agradável, e Demetria tinha medo dele. Não mais do que temia o comandante, mas de certa forma sabia que ele não lhe faria mal, não se Klaus não ordenasse, agora aquele homem, não parecia do tipo seguidor de regras.
__Demetria__ a princesa se assustou quando ouviu a voz desesperada de Paola gritar seu nome__ Demetria venha aqui.
Ela correu um dos quartos para ver o que estava havendo e seu coração parou. Paola estava ajoelhada no chão, segurando o corpo inerte de Vitória. Cláudia estava ao seu lado e estava desesperada, com lágrimas nos olhos.
__Meu Deus, o que foi que aconteceu?
__Ela desmaiou de repente__ Paola respondeu, estava tentando manter a calma__ mandei Cláudia buscar ajuda, mas ela não presta para nada nesse desespero, preciso que faça uma coisa Demi. Corra até a casa do Mrs. Galvin e diga que precisamos dele aqui no Bordel agora.
__Tudo bem.
Demetria então saiu correndo do Bordel pelas ruas do Murdor atrás no Mrs. Galvin, ele era o médico da cidade. Ela não viu o seu novo guarda na porta como costumava ficar nos últimos dias, mas ignorou e continuou a correr, tentando lembrar onde era a casa dele, tinha evitado passear muito pelas ruas da cidade e ainda não conhecia tudo muito bem. Mas teve sorte e encontrou o homem passeando na rua.
__Mrs. Galvin, graças a Deus o achei__ ela disse respirando com dificuldade__ precisamos do senhor lá no La Luna, umas das meninas desmaiou e não sabemos o que ela tem.
__Calma menina__ ele pediu__ onde ela está?
__Está no La Luna, o senhor tem que ser rápido.
__Tudo bem, preciso pegar umas coisas, mas já estou indo pra lá, fique calma.
__Tudo bem, eu vou indo na frente.
Demetria correu de volta ao La Luna, mas antes que chegasse lá, uma mão agarrou seu braço e saiu a puxando pra longe das ruas. Ela pensou em gritar, mas sabendo que nada adiantaria ficou quieta e percebeu que era o seu novo guarda que a arrastava.
__O que está fazendo? Me solta__ ela resmungou__ tenho que voltar ao La Luna.
__Você não tem que fazer nada a não ser vir comigo princesa.
Ela ficou quieta e deixou que ele a levasse, não adiantava tentar escapar agora, só ia se machucar, precisava escolher o momento certo para fugir se ele tentasse lhe fazer algum mal. Percebeu que o guarda a levava para uma área isolada da cidade, onde quase ninguém passava, perto da floresta, e sentiu o coração disparar, mas manteve a postura. Quando ele finalmente parou, Demetria se atreveu a falar novamente.
__Porque estamos aqui? O que você quer?
__O Rei proibiu todos os homens do Reino de tocar em você, disse que você pertencia somente a ele e devo dizer que achei essa atitude muito egoísta. Você é a mulher mais linda do país, não é justo que somente ele desfrute dessa beleza.
__Deveria ficar lisonjeada?__ ela revirou os olhos__ me solte antes que se arrependa.
__O Rei não está aqui e nem o comandante. O que vai fazer sem aquele idiota para te defender?
__Não preciso que ninguém me defenda.
__É o que veremos.
Ele a empurrou para o chão, Demetria perdeu o equilíbrio e caiu sentada e logo o brutamontes estava em cima dela. Se tivesse acontecido semanas atrás ela provavelmente estaria esperneando e chorando como uma criança assustada, mas agora... Por mais que tentasse, as lágrimas não vinham, só havia ódio. Quem aquele homem pensava que era? Ela não era uma prostituta qualquer, era uma princesa e ela o faria pagar por aquela impertinência, não sabia como, mas faria.
__Saia de cima de mim__ ela gritou lhe dando socos, mas o homem era grande demais para se machucar com aquilo.
__Só quando eu acabar__ ele riu.
__Você ouviu a moça__ o homem enrijeceu ao sentir a ponta do metal frio em sua nuca__ saia de cima dela.
Demetria parou de se debater e avistou o cavaleiro das sombras de pé atrás do homem, com a espada em mãos, apontada para o pescoço dele. Estava sujo, descabelado e tinha um corte na bochecha, e não parecia nada contente, mas Demetria nunca ficara tão feliz em vê-lo.
__Eu disse para sair de cima dela__ ele repetiu calmamente.
__Ou talvez você devesse abaixar a espada__ outra vez murmurou.
Demetria arregalou os olhos ao avistar outro guarda atrás do comandante, surgido do nada. Tinha sua espada apontada para as costas dele e um sorriso malicioso no rosto. Era só o que faltava.
__Tem certeza que quer fazer isso?__ Joseph perguntou tranquilamente.
__Abaixe a espada__ o homem repetiu__ serei eu a ter a honra de matar o cavaleiro das sombras.
__Tudo bem__ Joseph disse despreocupado__ como quiser.
Ele largou a espada no chão, e o homem que estava em cima de Demetria finalmente se levantou para encará-lo sorrindo. Por um momento Demetria chegou a duvidar, chegou a pensar que realmente tinham encurralado Joseph, mas logo ele a fez lembrar... Ele era o cavaleiro das sombras, e ninguém desafia o cavaleiro das sombras e sobrevive para contar história.
Enquanto o homem perdia tempo se vangloriando ao invés de investir logo com sua espada, Joseph, com aquela sua rapidez e agilidade incríveis, puxou o punhal que tinha no cinto e num movimento fluido cortou a garganta do primeiro homem, que tentava estuprar a princesa, e logo em seguida enterrou-o no peito do segundo homem. Ele arregalou os olhos, soltou a espada, e quando Joseph puxou o punhal de volta ele caiu no chão sem vida.
__Idiotas__ resmungou limpando o punhal na blusa.
Demetria, que continuava caída no chão chocada, viu quando outro homem se aproximou sorrateiramente.
__CUIDADO__ ela gritou, mas não foi rápida o suficiente.
O homem devia estar bêbado, pois não atacou Joseph com uma espada, mas sim com uma garrafa de vidro e a quebrou na cabeça do comandante com toda sua força.
O impressionante foi que ele não se deixou abalar, apenas se virou, com raiva brilhando nos olhos azuis e de um pisão na perna do homem, quebrando a perna do mesmo num ângulo que parecia impossível e quando ele caiu no chão choramingando, Demetria pode ver o osso exposto. Joseph pegou o punhal para matá-lo.
__NÃO__ ela gritou.
Joseph parou no meio do movimento e a olhou, ainda caída no chão, de olhos arregalados, completamente apavorada. Olhou em volta um instante, pros corpos e sangue espalhados pelo chão e abaixou a lâmina.
__Levanta__ ele a puxou pelo braço, a pondo de pé, pegou a espada no chão e a pos de volta na bainha__ vamos sair daqui.
Enquanto ele a arrastava para longe, ela ouviu vozes e passos de outros guardas se aproximando. Certamente eles saberiam pelo homem que sobriveu que aquilo tinha sido obra do cavaleiro das sombras.
Fim do Capítulo 

8 comentários:

  1. É incrível o cavaleiro das sombras sempre chega no momento certo para a salvar....
    Posta logo.......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente com vc ... Postei ... Beijos

      Excluir
  2. Ótimooooo !

    Anciosa para o próximo capitulo =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pronto matei a sua ansiedade ? KK ... Postei ... Beijos

      Excluir
  3. O quê aconteceu com a Vitória? Hahahahah
    Posta logo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela ta ... Hahah ñ vou contar sou ma KK ... POSTEI !!! XOXOXO

      Excluir