domingo, 12 de agosto de 2012

Twelve



Means say what no one else would say
You know exactly how to get to me
You know is what I mean


Foi uma grande surpresa quando Demi apareceu com os meus filhos na JI. Eu geralmente não trabalhava no domingo, mas estávamos atolados na empresa com o trabalho e eu tive que abrir uma exceção justamente no dia dos pais. Fiquei feliz quando os vi lá, quando vi que se dispuseram a vir até mim e me fazer uma surpresa, e depois me senti mal por tê-los deixado. Voltei a minha sala depois de um minuto e eles não estavam mais lá, só encontrei dois desenhos em cima da minha mesa no meio dos meus papéis. Um deles era de Manuela, ela desenhara a mim, ela, Matthew e Demi, como uma família, também tinha um recado escrito com o que imaginei ser a letra da Demi... “Feliz dia dos pais para o melhor pai do mundo”. Eu claramente não merecia aquilo, mas sorri assim mesmo e depois abri o cartão do Matthew, só estava escrito feliz dia dos pais e dentro tinha uma caricatura minha que ele mesmo fizera.
Olhei pros desenhos e depois para porta, não pensei duas vezes e me levantei apressado.

__Joe, você tem...
__Agora não Selena__ a interrompi__ cancela todos os meus compromissos de hoje, eu to indo embora.
__Indo embora?__ ela pareceu confusa__, mas tem um monte de problema pra resolver e...
__É dia dos pais, e eu sou o dono dessa empresa, resolvo tudo amanhã__ disse decidido__ cancela tudo.
Ela apenas sorriu e concordou, eu saí correndo, esperando que ainda desse tempo, pra minha sorte eles ainda não tinham ido embora, encontrei-os no estacionamento com Arthur, ainda entrando no carro. Aposto que tinha sido Manuela que os atrasara.
__Hey, onde vocês pensam que vão?__ corri até eles, e parei ao alcançar o carro, ofegante pela corrida, eles me olharam surpresos.
__Estamos indo pra casa__ Demi disse__ você está ocupado e...
__Não estou mais, cancelei os meus compromissos__ avisei e sorri__ quem quer comer uma pizza?
Obviamente eles não esperavam uma atitude daquelas de mim, era até estranho eu deixar o trabalho de lado para fazer qualquer outra coisa que fosse, mas eu estava cansado de decepcionar meus filhos, eu queria que todos os dias fossem bons como no aniversário do Matt, queria que as coisas se ajeitassem, mas pra isso eu tinha que me esforçar como eles também estavam fazendo.
__Eu quero__ Matt disse sorrindo.

Era por isso, o sorriso no rosto dele fazia valer a pena qualquer coisa. Mandei Arthur pra casa e levei todos no meu carro para uma lanchonete que Matthew mesmo escolheu, nos sentamos numa mesa e dividimos uma pizza, rimos e conversamos e nunca vira meus filhos tão animados daquele jeito. Depois que terminamos, Manuela quis brincar no parquinho que tinha do lado de fora da lanchonete, Matthew a levou e eu fiquei sentado conversando com Demi. 

__Obrigado por isso__ eu disse quando ficamos sozinhos.
__Não precisa agradecer, eu só dei um empurrãozinho__ ela sorriu__ o resto foi com vocês.
__Fazia um tempo que não passava um dia assim com eles sabe? Eu gostei disso.
__Fico feliz por ajudar__ ela deu um gole em seu refrigerante e me olhou de lado__ posso fazer uma pergunta? Sem querer ser intrometida nem nada, é só uma curiosidade.
__Claro, pode perguntar__ concordei.
__Você já pensou em namorar de novo? Quer dizer... Apesar de tudo isso, você já considerou por as dores e medos de lado e tentar começar de novo? Sabe... Seguir os conselhos da família e dos amigos?
__Eu já considerei a ideia sim__ afirmei__, mas não deu certo. Se eu fosse mesmo me casar de novo ou algo do tipo teria que ser com a pessoa certa, eu tenho uma bagagem pra carregar, tenho dois filhos, minhas manias e minhas dores. Não é qualquer uma que conseguiria aguentar. Teria de ser alguém que me entendesse e respeitasse e não é fácil de encontrar.
__Mas se você achasse essa pessoa daria uma chance? Apesar de tudo?
__Sinceramente eu não faço ideia__ dei de ombros__ não fico pensando nisso, eu... Acho que estou bem como estou, pelo menos por enquanto, apesar de tudo que me dizem, eu me sinto melhor sozinho. Porque pergunta?
__É só que você é um homem ainda jovem e bonito...
__Acha que sou bonito?__ perguntei rindo.
__Claro__ ela respondeu também rindo__ eu também, estou fora de circulação, mas isso não muda os fatos. A garçonete ali no balcão não me deixa mentir, não tirou os olhos de você desde que entramos na lanchonete.
__O que?__ franzi o cenho e olhei na direção que ela indicara__ não está nada.
__Está sim__ ela afirmou rindo__ não para de olhar pra nossa mesa. Ela fica nos analisando, tentando descobrir se nós dois somos um casal, e a essa altura concerteza já percebeu que você usa uma aliança e eu não__ olhei pra minha mão, eu ainda usava minha aliança de casamento, já fazia tanto tempo, era uma parte de mim e eu até me esquecia que estava ali__ como não pode ter certeza se estamos juntos ou não ela fica me olhando, tentando achar defeitos em mim que garantam que somos no máximo amigos.

__Como pode saber disso?__ a olhei curioso__ só porque ela está olhando não quer dizer que esteja interessada.
__Ah por favor__ ela revirou os olhos__ vocês homens gostam de dizer que as mulheres são complicadas, mas isso não é verdade, pode ser pra algumas, mas a maioria de nós é bem previsível e muito fácil de interpretar se prestar atenção. Ela está lá na expectativa de que você note a presença dela... É uma mulher bonita, não se interessaria?
Dei mais uma olhada discreta na direção da garçonete, depois voltei a fitar Demi.
__Ela é bonita sim__ dei de ombros.
__Você não se arriscaria?__ ela perguntou rindo__ ela pode ser a tal mulher super compreensiva, como sabe se não tenta?
__Você está parecendo minha mãe agora.
__Desculpe, eu só achei engraçado. Você deve partir o coração de muitas mulheres por ai.
__E tento passar despercebido__ falei surpreso com o comentário__ não fico dando esperanças a ninguém, mas e você?
__Eu?__ ela fez careta__ você ficaria surpreso, eu sou um repelente de homens descentes ao que consta. Atraio homens bonitos sim, mas todos idiotas, o que é realmente uma pena, mas eu já superei.
Nós dois rimos, e dei mais um gole no meu refrigerante. Achei interessante o fato de como era fácil conversar com Demi e também rir dos meus problemas. A única pessoa com quem eu conversava abertamente era Peter, mas não gostava de falar de minhas dores com ele, nem com ninguém, estavam todos sempre tentando me julgar e me dizer o que fazer, mas ela não... Ela conseguia fazer piada daquilo, dos meus problemas e dos dela, de uma forma que tudo parecia muito natural.
__Vamos fazer um jogo__ ela propôs__ suponhamos que você é um cara comum, veio numa lanchonete e encontrou uma garçonete bonita que está tentando flertar com você, e digamos que se interessou nela. O que você faria? Como chegaria nela?
__Ah não, não gostei desse jogo__ eu fiz careta ainda rindo.
__Porque não?
__Você pode não acreditar, mas a única mulher que eu cantei na minha vida foi a Rachel. Claro que fiquei com outras meninas antes dela, mas todas vieram atrás de mim, Rachel foi à única de quem corri atrás e isso faz uns dezoito anos__ eu disse__ e além do mais, faz quase quatro anos desde que estive com uma mulher, mesmo que eu estivesse interessado, não acho que saberia o que dizer ou como chegar nela... Estou enferrujado.
__Ah, fala sério__ ela disse__ isso é natural, você não se esquece como cantar uma mulher, é instinto.
__Agora você parece o Peter falando.
__Ele é um cara esperto então.
_Fazemos o contrário__ eu propus entrando na brincadeira dela__ se fosse você no lugar dela, o que gostaria que eu fizesse? 

__Tudo bem, eu facilito pra você__ Demi riu se ajeitando na cadeira__ ela não parece muito ousada, se não acho que já teria vindo até aqui falar com você, isso já aconteceu comigo várias vezes, as mulheres podem ser cara de pau quando querem. Se eu fosse ela, acho que gostaria que fosse até lá falar comigo, me cumprimentaria com um oi e me faria um elogio, não uma daquelas cantadas idiotas que os homens costumam dar, mas um elogio de verdade. Poderia falar como estava me olhando e como achou o meu sorriso bonito, ou como reparou na cor dos meus olhos e como eles brilham e no caso dela__ apontou discretamente__ poderia falar do cabelo e como acha sexy a forma que ela brinca com eles enquanto flerta.
Estávamos de frente um pro outro, e o balcão onde a tal garçonete estava ficava atrás de mim, de modo que Demi a fitava enquanto falava, a analisando distraidamente. Mas ao invés de me virar e olhar também, me peguei fitando Demi com um pouco mais de atenção, nunca tinha parado para reparar em nada dela, mas enquanto falava daqueles detalhes foi impossível não prestar atenção. Ela tinha um sorriso bonito, um sorriso tímido na maioria das vezes, discreto. Ela não tinha vergonha de falar o que pensava, depois que começávamos a falar tudo ia fluindo naturalmente e ela parecia mais solta, como agora, enquanto fazia essa brincadeira.
Ela também tinha bonitos olhos, castanhos escuros, mas quando o sol batia do jeito certo pareciam bem mais claros e brilhantes. Um pouco tristes talvez, enquanto falava, como se as palavras a lembrassem de algo triste embora estivesse sorrindo. Os cabelos também eram castanhos, caindo sobre os ombros meio ondulados, ela era uma mulher muito bonita. 

__E depois?__ perguntei a incentivando a continuar, ela tinha também uma voz agradável de ouvir e parecia sempre saber o que dizer nos momentos certos.
__Bem, depois você me perguntaria alguma coisa sobre mim__ ela continuou__ algumas mulheres gostam muito de falar, mas é mais pelo fato de saber se o cara está interessado o bastante pra ficar minutos ou horas ouvindo agente falar sobre nossa vida__ ela deu mais um gole em seu refrigerante, fazendo uma pausa__ então você perguntaria alguma coisa, sobre meu trabalho, ou o que eu gosto de fazer no tempo livre, só para poder puxar conversa.
__Interessante, e o que mais?

__Bem, se a conversa fosse boa você pediria meu telefone__ ela murmurou__ e bem... Eu gosto de caras um pouco mais ousados, daqueles que sabem o que querem e não tem medo de arriscar. E Talvez... Talvez se a conversa tivesse sido muito boa e sentíssemos aquela atração forte, aquele tipo de desejo que quando vem você não consegue controlar, bem... Talvez pudesse se aproximar um pouco mais, pôr o meu cabelo gentilmente atrás da orelha, e me surpreender com um beijo. Um beijo que começasse calmo e lento e fosse ficando mais intenso depois, um beijo que me tirasse o fôlego e que quando terminasse... Me deixaria ali imaginando o que poderia acontecer se você realmente me ligasse, se nos encontrássemos depois.
Ela parecia agora completamente perdida em sua própria história, e eu me peguei do mesmo jeito, completamente absorto em suas palavras. Talvez tenha sido o jeito como ela falava, ou o som suave da sua voz, mas me peguei imaginando como seria estender a mão ali naquele momento e pôr a mecha de cabelo que lhe caia nos olhos atrás da orelha, sentindo a textura dos fios e também da sua pele. Me imaginei inclinando-me para mais perto, juntando nossos lábios num beijo exatamente como ela descrevera, calmo no inicio e intenso depois. Estávamos os dois distraídos, fitando os olhos um do outro sem ver nada realmente, cada um com seus pensamentos, quando ouvi uma voz me chamar.

__Pai__ Manuela apareceu correndo com Matthew logo atrás__ podemos comprar um sorvete?
Foi só quando ela me despertou que percebi que enquanto eu e Demi conversávamos, tínhamos nos inclinado sobre a mesa da lanchonete um na direção do outro. Eu voltei rapidamente pra trás e ela fez o mesmo, parecendo meio confusa.
__Ela está doida por um sorvete de morando__ Matthew disse.
__Hum... Pode comprar__ concordei e lhe entreguei o dinheiro__ cuidado vocês dois. 

Matthew a pegou no colo e saíram novamente da lanchonete para comprar o sorvete na carrocinha ao lado.
Demi tinha os olhos no seu copo de refrigerante e quando os dois saíram ficamos por um tempo em silencio. Acho que no fim das contas Peter estava certo em algumas partes do seu discurso, eu estava sozinho há tempo demais. Passei quase quinze anos ao lado de Rachel e agora ia fazer quatro desde que ela morrera, desde que estive com alguém... Eu não costumava pensar sobre isso, não costumava pensar na falta que uma companhia fazia, sempre ignorava e deixava as palavras e os pensamentos se desfazerem.
Mas agora naquele momento, tocando naquele assunto, pensando sobre isso, fiquei por um momento muito consciente desse tempo que passei sozinho e me peguei imaginando como seria ter alguém do meu lado de novo. O caso era que sempre que tentava me visualizar com uma mulher, era o rosto de Rachel que aparecia, me fazendo sorrir como costumava ser... E ela estava morta, o que me levava de volta ao mesmo ponto de sempre.

__Foi assim que seu ex noivo te conquistou?__ perguntei para retomar a conversa, quebrando aquele estranho silencio__ quero dizer... Sendo ousado, te surpreendendo?
Ela fez uma pequena careta, não parecia muito a fim de tocar no assunto, mas falou mesmo assim.
__Conheci o Alex em uma festa que fui com uma amiga__ ela disse sem me olhar, ainda fitando o copo sobre a mesa__ ele me abordou, queria ficar comigo, mas eu não estava interessada. Lembro que minha amiga deu o meu número a ele mesmo sem eu querer, e ele ficou insistindo a festa inteira. Disse que se eu desse uma chance nunca mais ia esquecê-lo e eu não ia querer saber de mais nada. Achei-o presunçoso demais por causa disso__ ela riu__ o caso é que... No fim da festa, quando eu estava pra ir embora, ele simplesmente me agarrou e me beijou e bem... No fim das contas ele estava certo.
__Foi mais ou menos assim comigo e com a Rachel__ eu disse, ainda surpreso por achar tão fácil falar da Rachel pra ela quando nem com Peter eu conseguia sem sentir-me incomodado, talvez fosse porque eu sabia que ela não ia me julgar__ eu a conheci num parque de diversões, ela estava com a melhor amiga, a Molly, e eu com Peter. Achei-a linda desde que a vi a primeira vez e perseguimos as duas discretamente pelo parque aquele dia, sempre nos mesmos brinquedos, tentando puxar assunto, ela não estava interessada, mas minha insistência fez ela me dar o seu telefone e bem... Deu no que deu.
Ela sorriu, me olhando de lado, meio pensativa.

__Ainda o ama?__ perguntei__ esse Alex?
__Não__ ela fez careta como se a ideia fosse um absurdo__ as pessoas não acreditam quando eu digo que não ,mas é verdade, eu o superei. O caso é que já tive outras decepções antes dele, e essa última foi mais forte e deixou mais marcas. Eu penso em como seria namorar de novo, me casar, mas ai vem aquele medo de que aconteça de novo, de me magoar e acabo desistindo da ideia. Pode parecer covardia da minha parte, mas entre passar o resto da vida sozinha e me machucar de novo, bem... Eu prefiro a solidão.
__Não acho que seja covardia sua, sei como é difícil superar certas coisas. Mas... Correndo o risco de soar como a sua mãe agora, nem todos os caras são como esse Alex, na minha opinião ele é um grande idiota.
__Você acha?__ ela riu.
__Acho sim__ afirmei__ eu no lugar dele não a teria deixado escapar.
Ela ergueu os olhos para me fitar, como se duvidasse das minhas palavras.
__É sério, você é uma mulher bonita, inteligente, divertida e muito gentil__ dei de ombros__ o covarde na história é ele por ter fugido desse jeito. Quer saber o que eu acho que deu errado nesses seus relacionamentos?
__O que?
__Esses caras não te amavam de verdade, se amassem não teriam te enganado assim.
__Acho que está certo__ ela suspirou__ a parte complicada da história é conseguir achar um cara que me ame de verdade, como posso saber se ele realmente gosta de mim ou se sou apenas mais uma conquista?
__Está nos detalhes Demi. Gentil, carinhoso, divertido, qualquer cara pode ser, fingir é fácil, mas o amor de verdade você vê nos pequenos detalhes__ expliquei__ um olhar, uma palavra na hora certa, um gesto. São certas atitudes.
__Você tem sorte__ ela comentou__ quer dizer... É uma pena que sua esposa tenha morrido, mas acho que teve sorte pelo tempo que passou com ela, pois foi verdadeiro e aproveitaram enquanto durou. No meu caso não posso dizer o mesmo, fui feliz enquanto durou é verdade, mas era tudo falso e só me restaram lembranças vazias.
__Pensando desse jeito você está certa.
Ela largou finalmente o seu copo e me fitou com atenção.
__Você acha... Acha que só amamos uma vez na vida? Quer dizer, que só podemos amar uma pessoa?
__Não acho que podemos amar alguém hoje e deixar de amar amanhã, se não, não era amor de verdade, tem diferença entre amar e gostar, entre amor e paixão__ dei de ombros.
_Então no seu caso, acha que mesmo que quisesse não poderia amar outra pessoa, porque o seu amor de verdade era Rachel?

__Sinceramente eu não sei. Não é como se eu tivesse a deixado porque quis, não é como no seu caso, que se separou do seu noivo, mas que ele ainda está por ai, com outra pessoa. Acho que talvez eu pudesse amar sim outra pessoa, mas nunca esqueceria a Rachel. É complicado na verdade, eu não penso muito nisso, a ideia me deixa meio louco, afinal eu conheci Rachel com apenas dezessete anos e passei a maior parte da minha vida achando que estaria com ela para sempre, é difícil mesmo depois de quase quatros anos me livrar desse pensamento.
__Entendo__ ela assentiu pensativa__ eu não acho que o meu verdadeiro amor tenha sido o Alex. Acho que não o encontrei ainda e que talvez nunca o encontre... É meio triste pensar assim, mas como você mesmo disse, é difícil depois de passar por tanta coisa se livrar desse pensamento.
__De uma forma ou de outra, eu tenho meus filhos__ comentei olhando lá para fora e vendo Matthew e Manuela tomando sorvete juntos__ não poderia pedir mais nada.
__Você é um homem de sorte, eles são maravilhosos.
__São sim__ concordei__ e agradeço a você por me ajudar com eles. Eu acho que precisava de alguém que me abrisse um pouco os olhos, que me mostrasse que o que eu estava fazendo estava errado, mas não com palavras e acusações e sim com gestos.
__E eu precisava de um novo objetivo na minha vida__ ela deu um meio sorriso__ talvez tenha sido obra do destino eu encontrar Manuela naquele parque, para que eu pudesse ajudar você e sua família.
Eu sorri enquanto a olhava, reparando que sorria mais quando falava com ela do que tinha conseguido sorrir nesses últimos quatro anos. Talvez tenha sido mesmo obra do destino que ela entrasse na minha vida, uma amiga para me abrir os olhos como aqueles que estavam comigo há mais tempo não conseguiam fazer, como uma espécie de anjo.
__Talvez__ concordei sorrindo__ talvez. 
Fim do Capítulo

8 comentários:

  1. Morri .......Ameiii ta mt perfeito POsta Logo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NÃO POR FAVOR NÃO MORRE KK ... Postei ... XOXO

      Excluir
  2. Awwww *---* posta logo!!!

    Queria ter comentado mais, mas eu estava sem meu note e pelo iPod é muito ruim comentar...
    Enfim haha não demore a postar hein?! u_u haha xo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Postei ! Ah q pena eu já sabia pois eu tinha lido no seu blog ! Ah vai até q eu nem demorei pra postar ! XOXO

      Excluir