sexta-feira, 30 de março de 2012

Chapter Seven


Naquela manhã Selena apareceu para fazer uma visita a Demi, já fazia mais de uma semana desde que se viram e Demi se surpreendeu ao ver como estava com saudades, gostava de conversar com Selena. Na verdade gostaria de poder contar a ela o que estava acontecendo, mas sabia que ela lhe entregaria as suas tias, então ficou calada.
__Minha mãe me contou que você descobriu tudo__ Selena comentou__ como está levando tudo isso?
__Quer saber se não estou enlouquecendo?
__Desculpe, imaginei que devia ser difícil pra você.
__Você sempre soube? O que você era?__ Demi perguntou.
__Sempre, minha mãe disse pra não contar a você, porque sua mãe não queria que você soubesse.
__O seu namorado também sabe?
__Ele é bruxo também__ ela concordou.
Aquilo explicava o jeito que ele estava a olhando em sua festa de aniversário, e o estranho comentário que deixara Demi desconfortável. Demi se sentia um pouco idiota agora, todo mundo sabia o tempo o que ela era, menos ela mesma, era tão patético.
__Queria poder passar mais tempo aqui com você, te ajudar a enfrentar isso tudo, mas ando tão ocupada.
__Não tem problema, eu entendo, e posso lidar com isso sozinha__ não era mentira, ela era mais forte do que havia suposto__ mas eu tenho uma pergunta. Você... Sabe do diário de Joseph Gilbert?
__Elas te contaram a história não é mesmo?__ Selena abriu um largo sorriso__ também fiquei fascinada quando ouvi.
__Você sabe o que aconteceu?
__Que foi roubado? É eu fiquei sabendo, minha mãe me alertou pra que eu tomasse cuidado. Não sou uma Gilbert de sangue puro, mas ainda sou da família, elas me disseram que podia querer me usar pra descobrir alguma coisa, estamos todos de olhos abertos. Esse diário precisa aparecer logo, antes o problema se torne mais grave.
Depois daquelas palavras Demi não conseguiu ouvir mais nada do que Selena falou, ela sorria quando parecia conveniente e concordava, mas não entendia uma palavra do que ela dizia, porque talvez fosse verdade. Ela deveria entregar o diário antes que algo de ruim acontecesse, Nicole poderia voltar para saber alguma coisa, alguém mais poderia vir atrás dela. Mas então porque a ideia de se livrar dele era tão dolorosa? A ideia de nunca mais falar com Joseph. Aquilo estava ficando complicado.
Quando Selena finalmente foi embora, Demi subiu novamente naquela mesma árvore atrás do celeiro e abriu o diário de Joseph sobre o caderno velho, apoiando a tinta entre os joelhos e molhando a caneta nela.
“Tenho uma pergunta pra você”.


A resposta chegou em questão de segundos, será que ele esteve esperando que ela aparecesse?
“Ainda não devolveu o diário? Pensei que tinha entendido que ficar com ele era perigoso”.

Demi bufou e revirou os olhos, essa atitude não ia facilitar em nada. Ela era teimosa e imprudente demais pra fazer o que sabia que era certo, já tinha vivido na linha por muito tempo, sendo sempre a certinha que não cometia erros e nem se arriscava, ela queria mudar isso agora, estava finalmente descobrindo quem era e não ia deixar a oportunidade de viver passar.
“Vai ou não responder minha pergunta? Você prometeu que responderia se eu tivesse dúvidas”.

“O que você quer saber Demetria?”


Ela sorriu quando ele cedeu, talvez ele também não quisesse que ela devolvesse o diário, talvez gostasse de conversar com ela como ela gostava de conversar com ele e só estivesse tentando fazer o que era certo, protegê-la. Demi gostou muito dessa ideia.
“Um bruxo só é treinado pra usar seus poderes quando completa dezoito anos?”

“Não, somos ensinados desde pequenos, mas é apenas aos dezoitos anos que o verdadeiro treinamento começa, pois é quando nossos poderes estão completamente desenvolvidos. Então somos treinados, para fazer feitiços complicados que exigem o uso de toda nossa energia, feitiços perigosos, feitiços mortais. Se tentarmos um feitiço muito grande sem estarmos preparados podemos morrer”.

Demi se lembrou de como se sentiu estranha no dia do seu aniversário de dezoito anos, como se alguma coisa se revirasse dentro dela, o se movesse por debaixo da sua pele, talvez fosse isso, seus poderes que ela não sabia que tinha chegando ao ápice, completamente desenvolvidos. Ela gostaria de ser treinada, mas teria que começar do zero como uma criancinha e suas tias não pareciam estar muito dispostas a lhe ensinar nada, elas estavam com medo. Demi pensou que poderia aprender sozinha, mas depois do que Joseph dissera talvez fosse melhor não arriscar, ela não queria fazer um feitiço forte demais por engano e acabar morrendo.
“Você chegou a completar o seu treinamento?”

“Sim, eu terminei, acabou quando completei vinte e um anos. Meu pai disse que eu já tinha aprendido tudo que ele podia me ensinar, tudo que ele sabia agora eu sabia também, e que dali pra frente teria de aprender o resto sozinho, com a vida. Ele me contou inúmeros segredos, me ensinou coisas que a maioria das pessoas nem sonhava que poderiam existir, até mesmo bruxos”.


Demi imaginou por um momento que segredos seriam esses. Bruxos tinha poderes incríveis, podiam fazer coisas inimagináveis e surpreendentes, o que poderia ser assim tão incrível até mesmo pra um bruxo? Coisas mirabolantes lhe passaram pela cabeça, mas nenhuma ideia que fizesse muito sentido, e algo lhe disse que se ela perguntasse do que ele estava falando Joseph não responderia, afinal segredos eram segredos. Mas talvez estivesse escrito no diário, talvez ela descobrisse depois.

“Tem outra coisa que não entendo. Você e seu irmão são bruxos, e muito poderosos, são da família original.
Então, porque vocês não podem simplesmente usar seus poderes pra sair de dentro do diário?”


Era uma boa pergunta, afinal, se Joseph tivera poder pra prender ele e o irmão ai dentro, porque não teria pra sair? Não fazia sentido, ele deveria poder sair dali quando quisesse, deveria poder ser livre.
“Eu e meu irmão estamos sem poderes enquanto estivermos presos aqui dentro, não podemos praticar bruxaria nesta prisão que eu criei. Faz tudo parte do feitiço que usei pra nos aprisionar aqui dentro, eu tinha que garantir que ele não sairia nunca, que não colocaria a vida de mais ninguém em risco, não podia ter certeza se algum dia ele se arrependeria do que fez, então só alguém ai de fora poderia desfazer o feitiço e nos libertar”.


Era bem inteligente da parte dele, ou bastante estúpido, afinal ele também estava preso. Cada vez que pensava nisso Demi ficava mais inquieta, imaginava várias formas em sua mente de soltá-lo dessa prisão, imaginava-se sendo sua salvadora. Mas então percebia que era só um sonho bobo e ficava novamente irritada, estava destinada a ser uma inútil eternamente.
Espantando os pensamentos melancólicos da cabeça ela resolveu mudar um pouco o assunto da conversa.
“Fale-me sobre Esmeralda”.

Demi não queria ser inconveniente ou algo do tipo tocando naquele assunto, mas estava curiosa sobre aquela garota linda que vira na lembrança de Joseph, queria que ele falasse dela, que lhe contasse o que o fizera se apaixonar por ela, além da beleza o que era bastante óbvio. Imaginava se ela seria muito diferente de Esmeralda. A resposta demorou tanto tempo pra aparecer que Demi teve medo de que ele não falasse mais nada, de que se irritasse e nunca mais lhe respondesse, e quando já estava ficando assustada pela demora à página brilhou e novas palavras apareceram.
“Porque quer saber sobre ela?”

“Não queria ser inconveniente, só fiquei curiosa pra saber mais sobre ela. Afinal pelo que me contaram ela foi um dos motivos pelo qual você e seu irmão se desentenderam. Estava imaginando o que fez com que se apaixonasse por ela. Se importa em me contar?”


Novamente a resposta demorou a parecer, mas dessa vez Demi esperou pacientemente, imaginando que ele estava procurando as palavras certas pra responder, não devia ser fácil falar dela, afinal de contas quando se prendeu naquele diário Joseph a deixou pra trás, abriu mão de seu amor. Não conseguia imaginar como devia ser doloroso.
“Quando a olhei pela primeira vez ela não me pareceu ser real, era bonita demais, perfeita demais, achei que talvez fosse um anjo, fiquei completamente bobo quando a vi, perdi o controle de meus pensamentos e de meus poderes, foi algo que nunca senti antes. Ela tinha aqueles olhos verdes brilhantes como esmeraldas, que foi de onde surgiu seu nome e a voz dela era como música, o som mais agradável que eu já escutei em minha vida. Ela tinha aqueles cabelos escuros e a pele clara e macia, era a mulher mais linda que já vi na vida”.
“Parece realmente encantadora, fale mais”.


Não havia necessidade de dizer a ele que tinha visto suas memórias, talvez ele se zangasse com isso.
“Quando ela sorria parecia que o mundo se iluminava, e eu ficava contando as horas pra falar com ela de novo. Meu coração batia forte e eu mal conseguia respirar de ansiedade, parecia um bobo. Meu pai disse que eram sintomas de alguém apaixonado”.


Será mesmo que era? Demi nunca sentira nenhuma dessas coisas com nenhum dos garotos com quem ficou ou namorou, não havia magia, não havia paixão, era só questão de desejo, necessidade, nada mais. Mas enquanto pensava no que Joseph dissera ela lembrara do que sentiu quando olhou pra ele naquelas memórias, o coração disparado, a incapacidade de tirar os olhos do seu rosto, como ficou perdida ao olhar nos olhos dele e como o mundo desapareceu quando ele sorriu. Seria possível ela estar apaixonada por alguém que nunca realmente conheceu? Alguém que não seria real até que ela pudesse tocar, sentir. Parecia loucura.
“Sente muita falta dela?”

“De todas as coisas que eu abri mão, de todas as coisas que perdi, ela é a que mais me faz falta.
Algumas vezes quando penso nela me arrependo de ter sacrificado tudo, mas então lembro que foi para o bem de todos”.

Perder alguém que se amava era extremamente doloroso, Demi sabia muito bem disso, sentia a perda de sua mãe todos os dias a cada minuto, alguma vezes a dor era tanta que chegava a ser física e parecia que ela sufocaria, também sentia falta do pai que nunca conheceu. Mas ela não teve muita escolha, simplesmente aconteceu, com Joseph foi diferente, ele teve uma escolha e escolheu abrir mão de tudo, devia ser doloroso imaginar que tudo poderia ser diferente.
“Você me faz muitas perguntas Demetria, mas não me fala nada sobre você”.

“Primeiro, me chame de Demi, odeio que me chamem de Demetria.
Segundo, minha vida não é tão interessante quanto a sua, nada de extraordinário pra contar”.

“Eu sei que não parece isso, mas minha vida não é tão interessante assim.
Não há nada de glorioso em se estar preso dentro de um diário mágico, acredite.
Porque não me fala da sua mãe? O que ela acha de você saber toda a verdade?”


Novamente a dor, Demi se encolheu em cima daquela árvore, como se tivesse levado uma facada e seus olhos arderam com a vontade súbita de chorar, ficava mais fácil suportar a dor quando não tocavam no assunto, suas tias eram boas nisso. A parte mais difícil era à noite, quando ela tinha aqueles terríveis pesadelos com a mãe morrendo queimada, de novo e de novo, os gritos eram perturbadores.

“Minha mãe morreu num incêndio em nossa casa, pouco mais de um mês atrás, estou morando com minhas tias agora”.

“Sinto muito, eu não sabia disso”.

“Dizem que foi um acidente, que a casa pegou fogo enquanto ela cozinhava”.

“Mas você não acredita nisso”.


Ela acreditava até alguns dias atrás, embora fosse um pouco ridículo, sua mãe não cozinhava nada àquela hora da noite, mas não havia motivos pra questionar, só que agora as coisas tomavam uma direção diferente. Havia essa coisa toda de bruxos, diários roubados e aquele pesadelo que a atormentava, alguma coisa não se encaixava.
“As coisas estão diferentes agora, eu vejo o mundo de forma diferente.
Sei que não deve significar nada, mas venho tendo um pesadelo desde que ela morreu e isso me perturba”.

“Que tipo de pesadelo?”
“É sobre a noite que ela morreu, eu estou na cozinha da casa, é como se eu fosse ela. A casa começa a pegar fogo de repente, sem uma explicação, e tem sempre alguém do lado de fora observando, mas não consigo ver quem é, a fumaça me confunde. Antes não significava nada, mas agora começo a pensar que pode não ter sido um simples acidente”.

“Quem ia querer fazer uma coisa dessas com a sua mãe e por quê?”

“Eu não sei, e não quero mais falar disso, desculpe”.


As ideias que surgiam em sua mente eram perturbadoras e ela queria espantá-las o máximo que pudesse ou ia enlouquecer. Não queria falar de coisas ruins com eles, apenas coisas boas, afinal era o único momento de paz que ela realmente tinha, quando conversava com ele, descobria novas coisas. Joseph aceitou a mudança de assunto sem problemas, mas não encerrou a conversa, ao contrário, ele he fez mais perguntas, sobre diferentes assuntos e Demi respondeu tudo da melhor maneira possível, sem querer entediá-lo com sua vida chata. Ela contou sobre suas tias, como eram maluquinhas e estranhas e como elas a acolheram, falou de Selena, a única pessoa amiga que ela tinha por ali e que mesmo assim não podia falar sobre tudo como falava com ele.
“Você tem um namorado?”
Aquela pergunta em particular a desconcertou, e deu graças a Deus que ele não pudesse ver seu rosto e o quanto estava vermelha naquele momento. Foi uma pergunta inocente e completamente normal é claro, mas levando em consideração sua nova obsessão por tudo que tinha haver com ele, aquilo era extremamente constrangedor.
“Não, eu não tenho.
Eu tenho que ir agora, minhas tias devem estar loucas atrás de mim, até outra hora”.


Era melhor encerrar logo o assunto. Ela não esperou uma resposta, fechou o diário e guardou-o na bolsa. Antes de descer da árvore ela olhou pro celeiro, por um tempinho ela esquecera a curiosidade em saber o que tinha ali dentro, agora imaginava que tinha alguma coisa haver com bruxaria, já que as tias tinham tanto cuidado em esconder. Será que havia algum monstro preso ali dentro? Ou um cadáver? Ou talvez ela estivesse louca, o que era a resposta mais provável, perguntar as tias não devia adiantar de muita coisa e o medo da descoberta a fez deixar pra lá, era melhor não abusar da sorte por enquanto.
Demi desceu da árvore e voltou pra mansão. De longe ela viu as tias conversando com o tal Walter, aquele velho esquisito e mal encarado, ela até tentou ouvir, mas mantiveram fora da conversa, o que era irritante, mas algo lhe disse que seja o que for que estavam conversando não era bom, estava estampado na face dos três. Demi começava a se sentir mais culpada por mentir pra eles, mas ainda não estava pronta pra devolver o diário... Não ainda.
Fim do Capítulo

No mínimo 1 comentario para o proximo capitulo :)

3 comentários:

  1. POSTAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. OMG,ta perfeeeeeeeeeeeito !!!!
    posta logooo !!

    ResponderExcluir
  3. Está P.E.R.F.E.I.T.O

    ResponderExcluir