terça-feira, 27 de março de 2012

Chapter Five e Chapter Six


Demi não teve muito tempo pra perguntar a Joseph o que queria, suas tias apareceram alguns minutos depois, queriam conversar, pra ter certeza de que Demi não estava pirando ou algo do tipo, então a proibiram de trancar a porta do quarto e apareciam a cada cinco minutos pra conferir se ela estava bem, aquilo não ajudava em nada. Então quando um novo dia surgiu ela teve de dar um outro jeito de poder conversar com Joseph sem que suas tias vissem o que ela estava fazendo. Demi pegou uma bolsa, colocou o diário, a caneta e a tinta dentro, junto com um outro caderno velho e desceu as escadas, passando pelas tias que estavam na varanda.
__Hey, aonde você vai?__ Sarah perguntou preocupada.
__Dar uma volta pela fazenda__ ela deu de ombros__ pegar um ar.
__Demi...
__Eu já disse que estou bem__ ela bufou e revirou os olhos__ eu não vou pirar, nem fazer nenhuma besteira ok? Só quero ficar sozinha e pensar na minha vida, será que eu posso?
__Só estamos preocupadas com você, não queremos que fique com raiva, escondemos coisas de você pro seu bem.
__Eu não estou com raiva__ prometeu, e não era mentira__ só não decidi ainda o que penso de toda essa história de bruxos e diários mágicos ok? Preciso pensar, e quando minha cabeça estiver em ordem eu digo a vocês.
Elas concordaram silenciosamente, Demi ficou satisfeita, talvez isso as impedisse de a seguirem pela fazenda e a espionarem como fizeram no dia anterior. Demi se afastou o máximo que pode da casa, pensou em ficar no estábulo junto com os cavalos, mas eles se agitaram quando ela chegou perto, e ela pensou melhor, não era uma boa ideia. Pensou no celeiro, mas ele estava trancado e não era bom dar mais um motivo pra suas tias desconfiarem dela. Então avistou uma árvore alta atrás do celeiro, olhou por um tempo e decidiu que era perfeito.
Segurou a bolsa com força e escalou a árvore, havia anos que ela não fazia aquilo e tinha perdido um pouco a prática, a tentativa lhe rendeu um bom corte na mão, mas no fim das contas ela conseguiu subir e sentar em um dos galhos, escorando as costas no tronco, pareceu seguro e ela podia ver tudo dali de cima.
Demi abriu o caderno velho e depois o diário por cima, assim, sei alguém a visse ali não veria a capa do diário, escorou a tinta entre os joelhos e molhou a pena, sorrindo ansiosa antes mesmo de escrever qualquer coisa.
“Então Joseph, eu tenho uma pergunta pra você. Como é ai dentro do diário?”


Ela não conseguia imaginar como seria ficar preso dentro de um diário, e isso estava corroendo por dentro. O que ele via lá do outro lado? Apenas páginas em branco ou tinha algo a mais? De repente, se ela soubesse um pouco mais, até poderia descobrir um modo de tirá-lo de lá de dentro.

“Bem Demetria, esse diário contém meus segredos, minhas lembranças. E aqui dentro eu revivo cada uma delas, todo o tempo. Elas apenas se repetem enquanto eu assisto”.


Demi considerou isso por um momento, não deveria ser agradável viver apenas de lembranças, mesmo que fossem boas lembranças, revivendo o mesmo momento milhares de vezes sem nunca ter um fim. Deveria ser enlouquecedor, ela começou a sentir pena de Joseph.
“E o seu irmão? Está com você?”

“Eu não o vejo há um bom tempo, estamos sempre em memórias diferentes, é melhor assim.
E, eu não quero ser grosseiro, mas você não deveria estar com esse diário”.


Ela sabia disso, mas não esperava que ele a lembrasse, ela não queria se livrar do diário, não queria se livrar dele, por mais que aquilo fosse o certo a se fazer.
“Eu estou te chateando com minhas perguntas?”
“É claro que não, você é a primeira pessoa com quem eu converso em muitos anos, mais do que posso contar estando preso aqui dentro, mas é perigoso ter esse diário em mãos Demetria, você pode se machucar, há muitas pessoas atrás dele que fariam qualquer coisa pra possuí-lo”.


Ele estava preocupado com ela, ela sorriu para a folha enquanto as palavras desapareciam, sabia que estava parecendo uma maluca afeiçoando a um pedaço de papel, a alguém que ela não podia ver, mas não sabia como evitar aquela sensação boa que lhe tomava quando conversava com ele, mesmo que não tivessem falado muito.
“Eu tomarei cuidado, prometo. É que também não tenho muito com quem conversar, e quando tento sinto que estão mentindo e escondendo coisas de mim. Já você me prometeu respostas”.

“Estou preso aqui há um longo tempo, posso não ter as respostas que procura”.


Era verdade, algumas das coisas que ela queria saber Joseph nunca poderia lhe responder, essas coisas ela daria seu próprio jeito de descobrir, mas outras só ele poderia lhe contar. Ela queria saber sobre a vida dele, mas tinha vergonha de perguntar, gostaria de poder ver as lembranças dele, era engraçado. Ele disse que aquele diário continha seus segredos, mas porque todas as folhas estavam em branco?

“Disse que seu diário contêm seus segredos e lembranças, mas as folhas estão em branco”.

“É um feitiço de proteção, assim ninguém pode ler o que está escrito”.


Então as memórias dele realmente estava ali, mas protegidas. Talvez ela não tivesse que perguntar a ele, se pudesse descobrir uma forma de poder ler o que estava escrito ali. Demi encarou o chão abaixo de si, ela ia precisar da ajuda das tias pra isso, já que não entendia absolutamente nada de bruxaria. Talvez essa fosse à desculpa que estava procurando pra resolver os seus problemas.
Como Demi não respondera nada, novas palavras surgiram no papel.
“Devolva o diário pra que possam guardá-lo em segurança Demetria, suas tias saberão o que fazer. É mais seguro pra você e pra todo mundo”.


Mas ela ignorou as palavras, fechou o diário, guardou tudo de volta dentro da bolsa e desceu da árvores, caminhando rapidamente de volta até a mansão. Suas tias ainda estavam na varanda, conversando sobre coisas banais, elas pareciam mais preocupadas que antes. Demi parou na frente delas e cruzou os braços, a expressão séria e determinada, agora que tivera a ideia, ninguém a faria esquecer.
__Algum problema querida?
__Eu quero aprender magia__ ela disse sem rodeios.
__Como é?__ as duas tias disseram ao mesmo tempo e de olhos arregalados.
__Quero que me ensinem a fazer feitiços e usar meus poderes... Essas coisas__ ela explicou calmamente.
__Não sei se é uma boa ideia Demi__ Olívia disse nervosa.
__Vocês me disseram que estou em perigo, bem... Tem maneira melhor de eu me defender?
__Isso é uma péssima ideia Sarah.
__A culpa é sua, por ser tão descuidada__ tia Sarah rebateu.
__Se não quiserem me ensinar, então me arrumem um livro... Vocês bruxas não tem livros de feitiços, essas coisas?__ ela supôs se sentindo meio idiota.
__Isso não é um filme Demi, é a vida real__ Olívia resmungou__ não temos livros de feitiços.
__Tem os nossos diários__ Sarah comentou.
__É pessoal__ Olívia a advertiu__ você não está pensando em concordar com isso não é? Ela não sabe absolutamente nada sobre bruxaria, isso é perigoso.
__Ela vai saber se ensinarmos, ela precisa saber se defender Olívia.
__Dê-me o diário, eu aprendo sozinha__ Demi sugeriu, só havia uma coisa que ela gostaria de aprender naquele momento, como desbloquear as memórias no diário de Joseph, o resto não importava.
__Eu não concordo com isso, Amélia deve estar se revirando no túmulo__ Olívia suspirou irritada.
__Quer saber, eu acho que você está certa Demi, está na hora de você aprender... Eu posso te emprestar o meu diário pra você ter uma ideia melhor de como as coisas funcionam e posso te ensinar alguns feitiços, só pra que você possa se defender caso precise.
__Obrigada tia Sarah__ Demi sorriu satisfeita quando a tia pegou o diário que estava ao seu lado na cadeira e estendeu pra ela com um sorriso doce no rosto, ela não pensou que fosse ser tão fácil.
__Está na hora de você se conhecer Demi, eu nunca concordei que sua mãe escondesse a verdade de você.
__O que te fez mudar de ideia assim tão rápido?__ Olívia perguntou__ ainda a pouco você não sabia o que fazer.
__Só percebi que era o melhor__ ela deu de ombros e abriu o diário, percebeu que as páginas estavam em branco como as de Joseph__ está tudo em branco tia.
__É um feitiço de proteção, assim quem pegar o diário não pode ler o que você escreveu__ explicou reforçando as palavras de Joseph__ Claro que não funciona muito com bruxos, pois qualquer um saber desfazer isso, mas se um mortal pegar nunca vai saber os segredos que contêm.
__Como eu faço pra ler?__ perguntou ansiosa.
__Revelare__ a tia sussurrou passando a mão pelas páginas.
As palavras começaram a aparecer então, na letra bagunçada de sua tia, mas estava tudo lá.
__Demi, escute uma coisa__ Sarah advertiu__ nunca leia nada do que está escrito nesse diário em voz alta.
__Por quê?
__Pronunciar os feitiços em voz alta é o mesmo que fazê-los querida, e nem todos são seguros, tome cuidado por favor, e eu gostaria que evitasse ler minhas lembranças pessoais, tem certas coisas ai que você não deve ver. Não que seja segredo, é só que é pessoal.
__Não se preocupe tia__ ela sorriu, ela já aprendera o que queria, aquele diário não tinha de muita valia pra ela, o que a interessava era o que estava em sua bolsa agora.
__Ainda acho que isso é um erro__ Olívia resmungou.
__Lembre-se, não leia em voz alta__ repetiu ignorando as reclamações da irmã__ e me procure quando tiver interessada em aprender a prática, não adianta apenas conhecer os feitiços, você tem que aprender a controlar o seu poder, entendeu?
__Tudo bem__ ela concordou e entrou em casa correndo, fazendo o máximo possível pra esconder a empolgação.
Demi trancou a porta do quarto, mesmo sabendo que suas tias apareceriam em breve pra perturbá-la e que brigariam com ela por ter fechado a porta, mas ela precisava de privacidade. Demi colocou com cuidado o diário da tia sobre a escrivaninha e se sentou na cama, abrindo o diário de Joseph a sua frente. Ela respirou fundo.
__Revelare__ ela sussurrou a palavra passando os dedos pela página em branco.
Um pequeno brilho surgiu no papel enquanto as palavras escritas ali surgiam como num passe de mágica, numa letra bonita e bem desenhada, nada de garranchos, diferente da letra dela. Demi sorriu com expectativa e passou as paginas seguintes vendo que agora todas elas estavam preenchidas. As lembranças, a vida de Joseph estava toda ali na sua frente e ela não via a hora de descobrir tudo.
Fim do Capítulo

Demi puxou o diário pra mais perto, sentindo seu coração palpitar, respirou fundo e começou a ler o que Joseph havia escrito na primeira página do diário. Não sabia se era a empolgação do momento, mas acabou esquecendo do conselho das tias e começou a ler em voz alta.
Hoje meu pai me deu este diário de presente pelo meu décimo oitavo aniversário. Ele me disse que deveria cuidar desse diário com a minha vida, que a partir deste dia, ele seria o meu melhor amigo e que deveria levá-lo comigo a todo lugar. E hoje também demos inicio ao meu verdadeiro treinamento como bruxo e prometi a ele que eu seria o melhor, até mesmo melhor que ele. Meu pai também me disse algo que me preocupou sobre Robert. Gostaria de saber o que ele estava me escondendo.


Quando fez uma pausa na leitura algo estranho aconteceu, as páginas do diário começaram a virar como se tivessem sido apanhadas por uma ventania, e quando pararam um brilho estranho surgiu junto com o que parecia ser uma janela, uma abertura. Demi se inclinou pra frente, pra olhar mais de perto e antes que entendesse o que estava acontecendo viu seu corpo mergulhar na abertura da página, sendo sugada pra um outro mundo.

15 de Agosto de 1609
Demi sentiu o pé bater em chão firme e por um momento ficou parada, trêmula. Abriu os olhos devagar e as formas a sua volta foram entrando em foco. Ela estava em uma mansão, mas não era mansão das suas tias, ela não reconhecia aquela casa, era bonita, bem decorada e tinha uma aparência daquelas casas de séculos atrás. Havia algumas pessoas naquela sala, espalhadas conversando e distraídas, e uma delas chamou imediatamente a atenção de Demi... Era Nicole, a mulher que lhe dera o diário, mas ela parecia um pouco diferente. Usava um longo vestido vermelho, daqueles antigos que as mulheres usavam séculos atrás, tinha os cabelos negros presos num coque muito bem feito e tinha muitas jóias, todas pareciam verdadeiras, os olhos castanhos estavam atentos a um enfeite sobre a mesinha no canto da sala, Demi correu até ela.
__Nicole, que bom que está aqui__ ela sorriu aliviada__ eu estava lendo o diário e de repente vim parar aqui, pode me explicar o que está acontecendo? Onde nós estamos?
Mas ela não lhe deu atenção, apenas passou os dedos pelo enfeite da mesa, parecendo distraída, Demi resolveu tentar mais uma vez.
__Nicole, por favor, será que pode me explicar o que está havendo?
Mais uma vez ela não respondeu, com um suspiro, se afastou da mesinha e foi caminhando até uma outra moça que se achava sozinha do outro lado da sala, observando tudo em silencio, com um tímido sorriso no rosto.
Alguém entrou na sala, um homem alto, devia ter cerca de cinquenta anos, tinha algo em mãos e um sorriso orgulhoso no rosto enquanto atravessava a sala em direção ao sofá.
__Onde está o aniversariante?__ ele perguntou e o jovem que se achava sentado no sofá se levantou sorrindo.
__Estou aqui pai.
__Feliz aniversário Joseph__ o homem murmurou e o abraçou apertado.
Demi congelou por um momento enquanto entendia o que estava acontecendo ali. Ela estava em uma das memórias de Joseph, aquela que ele escrevera no diário e que ela acabara de ler, não sabia como mas estava presenciando aquilo, como se estivesse lá. E se era só uma memória ela não podia ser vista ali, era como se fosse invisível, nada de interagir, só assistir.
Logo depois um outro pensamento lhe ocorreu, o jovem ali naquela sala era Joseph, ela o estava vendo, finalmente podia saber como ela era, o que vinha imaginando desde que pegara o diário. Não conseguiu tirar os olhos de seu rosto, da pele morena dele, dos cabelos negros ondulados, ou dos olhos... Lindos olhos castanhos claros com um brilho que ela nunca vira antes na vida, ele era lindo, mais ainda do que ela tinha imaginado. Sorriu, dando um passo adiante involuntariamente, querendo vê-lo mais de perto.
__Hoje é um dia muito importante filho__ o homem falou__ hoje você deixa de ser uma criança, hoje se torna um homem de verdade, hoje seus poderes chegam ao ápice e finalmente será um bruxo completo. Sabe da nossa tradição de família__ ele estendeu o que tinha em mãos para Joseph, e Demi viu o que era... O diário dele, um pouco mais nova e conservado, mas era ele__ cuide desse diário com a sua vida, a partir de hoje ele é seu melhor amigo, a única coisa em que pode realmente confiar, leve-o consigo para todo lugar e não deixe que toquem nele.
__Sim pai, obrigada.
__Meu menininho__ uma outra mulher se aproximou o abraçando, Demi imaginou que seria a mãe dele__ nem acredito que já está crescido, tenho tanto orgulho de você.
__Obrigada mãe, mas não me chame de menininho, é embaraçoso__ ele resmungou arrancando risadas de todos.
__Venha comigo filho, tem uma coisa que preciso lhe falar antes de seu treinamento começar.
Ainda segurando com força o diário Joseph seguiu o pai até o lado de fora da mansão e Demi foi atrás, curiosa pra saber o que falariam e incapaz de tirar os olhos de Joseph. Por um momento quando ele sorriu, ela sentira seu coração disparar e esqueceu de tudo que lhe afligia ultimamente, ele parecia alguma espécie de remédio pras suas dores, pelo menos se sentia bem quando conversava com ele. Os dois pararam do lado de fora perto de uma fonte na entrada da casa, aquele lugar era incrível, a família de Joseph devia ser tremendamente rica.
__Algum problema pai?__ Joseph perguntou preocupado ao ver a mudança na expressão do pai.
__Vamos começar seu real treinamento como bruxo.
__Posso chamar Robert? Como ele já passou por isso prometeu me ajudar.
__Era sobre isso mesmo que queria falar, Robert não deve estar presente durante seu treinamento.
__Porque não?__ seus olhos castanhos encararam o pai com confusão.
__Entenda uma coisa filho, Robert não é como você, ele é imprudente e ganancioso, impaciente e também ambicioso demais, mais do que é saudável. Você vai aprender coisas a partir de hoje, coisas perigosas, e nem todas eu ensinei a Robert, porque não confio nele.
__Sei que Robert é imprudente, mas não confiar nele? Ele nunca faria nada de mau, sabe disso.
__Não, eu não sei, e isso me preocupa, já o peguei fuçando em minhas coisas uma vez, praticando feitiços indevidos, Robert não tem noção de certo e errado por mais que eu tente ensiná-lo, ele só quer de mais poder filho, você sabe que não estou mentindo. Robert é meu filho e eu o amo, e também o conheço melhor que qualquer outro, tenho meus motivos pra lhe dizer o que estou dizendo agora e por isso lhe peço pra que não conte nada disso a ele e que o mantenha longe de nossos treinamentos, o que você aprender comigo filho... Ficará só entre nós, acha que pode fazer isso por mim?
__Claro pai__ Joseph concordou, mas era visível que estava desconfortável com aquela conversa.
__Vou lá dentro buscar algumas coisas e volto num instante pra começarmos o seu treinamento, não demoro.
Joseph ficou observando o pai se afastar e entrar na mansão. Encarou o vazio por um longo tempo com os olhos preocupados antes de abrir o diário que tinha em mãos e passar com calma o dedo pelas páginas, sentindo a textura, os pensamentos distantes. Demi daria qualquer coisa pra saber o que ele estava pensando naquele momento, chegou ainda mais perto, sentiu um impulso de tocá-lo, será que ela poderia senti-lo, mas se conteve e ficou apenas olhando. Estava surpresa com aquela conversa entre Joseph e o pai, não imaginava que ele já desconfiava que o irmão não era confiável, gostaria de saber o que o pai dele estava escondendo, concerteza havia motivos por de trás daquele pedido estranho.
__O que papai lhe disse?
Joseph se sobressaltara ao ouvir aquela voz, distraído demais não percebeu o irmão se aproximando, igualmente Demi. Ela se virou surpresa pra encará-lo... Robert, ele não tinha nada haver com Joseph, nem pareciam irmãos. Ele tinha cabelos loiros na altura dos ombros, a pele clara e olhos azuis, lindos olhos azuis ela devia admitir, poderia olhar pra eles uma eternidade e nunca cansar, mas havia algo naquele rosto que lhe causava arrepios, por de trás do sorriso doce que ele dava, havia algo a mais que ela não sabia explicar.
__Estava tentando me amedrontar falando sobre como o treinamento vai ser difícil__ Joseph mentiu depois de um breve momento de reflexão, seu sorriso agora era claramente forçado e desconfortável, ele não conseguiu disfarçar.
__Não se preocupe irmão, eu vou te ajudar__ Robert pousou a mão em seu ombro tentando confortá-lo, entendendo errado o motivo da expressão perturbada do irmão__ não é tão difícil quanto papai faz parecer, ele só está te testando, vai por mim. Sempre que precisar, conte comigo.
__Obrigada__ ele respondeu baixando novamente os olhos pro diário.

De repente a cena girou, a escuridão foi total e Demi sentiu-se caindo, e com um baque aterrissou de braços e pernas abertas sobre sua cama na fazenda das tias, com o diário de Joseph aberto sobre sua barriga. Antes que pudesse recuperar o fôlego viu a maçaneta da porta girar, e seu coração disparou.
__Demi, por que trancou a porta?__ ouviu tia Sarah perguntar__ abra isso.
__Só um momento tia__ ela levantou as pressas, enfiando o diário dentro da caixa e o jogando de qualquer jeito embaixo da cama, sem tempo pra escondê-lo melhor, o lençol comprido não deixaria que ela visse nada. Então ela correu para abrir a porta.
__Porque trancou a porta?__ Sarah perguntou irritada__ já disse pra não fazer isso.
__Desculpe, eu só queria um pouco de privacidade, não gosto que fiquem entrando aqui a cinco minutos__ falou tudo de uma vez.
__Você parece agitada, qual o problema?
__Eu... Eu...
Demi pensou em mentir, mas é claro que sua tia perceberia, ela nunca fora boa nisso, então pensou que talvez pudesse retorcer um pouco os fatos, assim conseguiria suas explicações e mantinha seu segredo intacto.
__Eu estava lendo uma das suas memórias, sei que me pediu pra não fazer isso, mas não resisti, era uma coisa sobre minha mãe__ ela blefou pra ver se funcionava__ e de repente eu estava lá dentro, eu estava na memória e... Foi muito esquisito.
__Eu disse pra você não ler em voz alta__ ela resmungou__ foi à memória que eu discuti com a sua mãe sobre contar a verdade a você não foi? Aquele dia foi terrível.
__Sim, foi essa mesma__ forçou um sorriso__ como aquilo é possível?
__Escute querida, todo diário vem com uma caneta e uma tinta especiais, ambos encantados__ ela explicou pacientemente__ e quando você escreve no diário a sua memória, é como se salvasse ali a lembrança, como se estivesse guardando um vídeo entende? Assim você pode ver aquilo de novo sempre quiser, só precisa ler em voz alta, por isso disse pra não fazê-lo.
__Eu sinto muito tia, foi sem querer.
Mas por dentro ela estava feliz, então ela podia ver todas as memórias e Joseph como se estivesse lá, ela poderia olhar o rosto dele de novo toda vez que tivesse vontade e poderia entender melhor a vida dele. Mal conseguiu conter a alegria que essa noticia lhe causou, essa coisa de bruxaria ficava cada vez mais interessante, e a cada segundo ela gostava mais e mais da ideia, mas do que deveria.
__Cuidado com isso Demi__ Sarah pediu__ e pare de ler minhas memórias, o combinado foram só o feitiços.
__Claro tia, eu prometo.
__E não fique trancando a porta, prometo que vou bater antes de entrar e vou tentar vir menos te perturbar, mas é que eu e Olívia ficamos preocupadas com você, sabemos que é muita coisa pra se absorver.
__Eu não vou pirar se é esse o seu medo__ Demi disse rindo__ estou bem sério.
__Ok, vou te deixar em paz... E cuidado ta bom?
__Sim senhora.
Assim que Sarah deixou o quarto Demi trancou novamente a porta, preferia levar um sermão por ter desobedecido de novo do que correr o risco de as tias a verem com o diário de Joseph. Agora que ela descobrira que era possível assistir a todas as memórias dele é que não o devolveria tão cedo, sabia que era errado, mas não podia evitar. Ela correu de volta até a cama e pegou novamente o diário, as páginas estavam em branco outra vez e ela sussurrou novamente o feitiço que sua tia a ensinou.
Quando as páginas estavam cheias outras vez ela começou a folhear o diário em busca de alguma outra memória que lhe interessasse.
Encontrou o que queria muitas páginas atrás
.

Hoje eu a conheci. Não era pra eu tê-la visto, não devia estar em casa àquela hora, tinha compromissos em outro lugar, mas por um acaso do destino eu a encontrei, passeando pelo jardim de minha casa com sua família, amigos de meus pais que eu nunca antes ouvira falar.
Esmeralda é o seu nome, perfeito pra ela com aqueles lindos e hipnotizantes olhos verdes, eu poderia tê-los olhado o dia todo e não cansaria. Sua pele clara parecia tão delicada e sua voz é como música, senti meu coração disparar de forma enlouquecedora quando ela sorriu pra mim, não sei bem o que aconteceu... Meu pai acha que estou apaixonado.


Mais uma vez um intenso brilho iluminara as páginas do diário e Demi sentiu-se sendo sugada pra dentro de outra lembrança, mas dessa vez ela estava preparada para o que aconteceu, e sorriu em expectativa do que viria a seguir.

07 de Abril de 1611
Quando sentiu seus pés tocarem o chão Demi abriu os olhos. O cenário era conhecido, o jardim que havia na frente da mansão Gilbert, havia muitas pessoas ali, algumas que ela reconhecia__ como o pai, a mãe e o irmão de Joseph e também Nicole__ e outros que ela não fazia ideia de quem eram, como um casal que devia ter volta de quarenta e poucos anos e uma jovem muito bonita, com um longo vestido azul, os cabelos negros presos numa trança muito bem feita e penetrantes olhos verdes, devia ser a Esmeralda, e ela podia ver porque Joseph se apaixonara pela moça, ela era realmente deslumbrante, no primeiro olhar ela não parecia real, parecia saída de algum filme de tão linda. Demi gostaria de ser assim como ela, sempre fora... Normal demais, nada de extraordinário.
O casal mais velho que conversava com os pais de Joseph deviam ser os pais de Esmeralda, e com um rápido olhar na direção de Robert, deu pra perceber como ele parecia encantado com a beleza de Esmeralda, devia ser naquele dia que os problemas começaram. Quem diria que uma mulher podia causar tamanha confusão. Demi observou quieta que algo acontecesse, então viu Joseph aparecer correndo do nada, passando por todos apressados e chamando o nome do pai, parecia que nem notara a presença dos convidados.
__Pai, você não sabe o que aconteceu... PAI, PAI__ ele chamava ansioso.
Ele estava um pouco mais velho agora, dois anos de diferença apenas, mas parecia mais maduro, os traços de seu rosto pareciam menos infantis e mais másculos e ele estava mais forte também, era visível facilmente. Ele só parou de correr quando esbarrou no pai que o segurou pra que não caísse, e tentou respirar fundo.
__Hey, calma garoto__ ele sorriu sem jeito__ não está vendo que temos visitas?
__Oh, me desculpe__ ele sorriu sem jeito pros pais de Esmeralda enquanto tentava recuperar o fôlego__ olá.
__Olá__ eles sorriram enquanto olhavam pra ele.
__Esses são John e Marisa Monroe, amigos da família__ os apresentou__ esse mau educado é meu filho do meio Joseph, ele nem sempre é assim, perdoem o comportamento infantil.
__Oh sem problemas, é um prazer.
__AH, e aquela é a filha deles, Esmeralda__ apontou pra jovem que se achava parada ao lado da fonte.
Joseph olhou na direção que o pai apontava e no momento em que olhou pra ela pareceu ficar perdido, deu pra ver em seu olhar que de repente tudo tinha sumido, a jovem sorriu pra ele timidamente mas parecia igualmente encantada, respirando fundo e ficando vermelha de vergonha. Todos observaram em silencio enquanto os dois se fitavam e quando os olhos deles se encontraram algo estranho aconteceu, a fonte atrás da jovem explodiu espalhando água pra todos os lados e molhando todos ali presentes, o silencio foi substituído por gritinhos de susto e alguma risadas. Demi também riu, mesmo sem entender o que tinha acontecido, ela viu Joseph morder o lábio como se tivesse acabado de cometer alguma bobagem.
__Oh me perdoem por isso__ o pai de Joseph se desculpou__ você está bem Esmeralda?
__Só um pouco molhada__ ela disse passando a mão pelos cabelos, e sua voz realmente era agradável de ouvir.
__Tudo bem, não foi culpa sua__ a mãe de Esmeralda disse rindo.
__Venham, vamos entrar, eu vou arrumar roupas secas pra vocês.
Todos entraram na mansão juntos, a mãe de Joseph foi com a mãe e o pai de Esmeralda lhe arrumar roupas secas e Esmeralda foi Nicole, Joseph ficou na sala com Robert e o pai. Joseph sacudiu os cabelos espalhando água.
__O que foi isso?__ Robert resmungou__ podia ter machucado alguém.
__Eu não sei o que aconteceu__ Joseph disse sem jeito__ eu não consegui controlar aquilo, senti meu coração disparar e algo estranho no estomago e quando vi a fonte tinha explodido.
Os dois se surpreenderam quando o pai começou a rir, uma gargalhada contagiante.
__Você devia ter visto a sua cara__ ele disse rindo__ não sabe mesmo oque aconteceu?
__Não__ Joseph respondeu inocentemente.
__Isso aconteceu comigo algumas vezes quando eu estava com sua mãe, meus sentimentos ficavam a flor da pele e eu não conseguia controlar, já coloquei fogo em uma floresta assim.
__O que quer dizer com isso?
__Não achou a jovem Esmeralda bonita?
__Sim__ ele confessou envergonhado.
__Eu vi o jeito que olhou pra ela... Sabe o que acho? Que está apaixonado.
__Ele só a viu uma vez__ Robert resmungou mau humorado.
__Nunca ouviu falar em amor à primeira vista?__ deu de ombros__ isso é normal filho, só tente controlar os seus hormônios ou pode mesmo acabar machucando alguém. Ande, vá botar uma roupa seca.
O pai saiu de vista pra trocar de roupa e Robert ficou olhando o irmão de forma irritada.
__Apaixonado?__ ele parecia conter a raiva.
__Eu sei lá, nunca senti isso antes__ Joseph disse sem jeito enquanto tirava a camisa molhada__ foi tão estranho quando olhei pra ela, já se sentiu assim antes Robert?
Mas ele não respondeu, apenas deu as costas ao irmão e saiu da sala. Demi ficou parada ali observando, suspirou sem querer quando olhou pro corpo molhado de Joseph sem camisa, o peitoral definido, perfeitamente musculoso, como uma espécie de Deus grego, ou algo do tipo. Ele era tão lindo.
__Você está bem?__ ele se virou quando ouviu a voz doce de Esmeralda.
__Oh sim__ ele gaguejou mas depois se recompôs__ e você como está?
__Estou bem, na verdade foi bem engraçado__ ela deu uma risadinha e sem querer seus olhos pararam no peito descoberto de Joseph, ela corou e desviou os olhos.
Os pais de Esmeralda apareceram então, a chamando pra ir embora pois tinham outro compromisso.
__Hum, foi uma prazer conhecê-la Esmeralda__ Joseph sorriu pra ela.
__Igualmente. Espero vê-lo outra vez.
E assim ela se afastou, despediu-se de todos e Joseph observou encantado enquanto ela ia embora. Não sabia se era verdade pois nunca sentira tal coisa antes, mas talvez o pai estivesse certo, talvez ele estivesse mesmo apaixonado, amor a primeira a vista ele dissera. De uma forma ou de outra, ele estava obviamente ansioso para vê-la outra vez, e o sentimento era mútuo.


Mais uma vez tudo a sua volta girou e depois ficou escuro, logo em seguida Demi sentiu caindo até que estivesse de volta ao seu quarto, sobre a sua cama macia, o diário jogado sobre ela, mas dessa vez ela não se levantou. Ficou deitada encarando o teto e sorrindo para o nada, sem conseguir tirar aquelas lembranças da cabeça. Joseph era tão lindo, tinha um sorriso tão encantador e uma vida interessante, bem mais do que a dela é claro. Mas do que nunca ela desejou poder vê-lo pessoalmente, conversar com ele cara a cara, poder tocá-lo, pra de alguma forma saber que alguém tão incrível era real.
Mas infelizmente isso não aconteceria, ele estava preso dentro daquele diário e ela não poderia fazer nada pra mudar isso.

Fim do Capítulo

 No  mínimo 2 comentarios para o próximo capitulo J

6 comentários:

  1. Que historia maravilhosa,estou encantada por ela.
    descobri seu blog hoje,não tenho um, só uma fã de jemi e adoro ler fic sobre eles.
    POSTA LOGOOOO!!!!!!!
    BJSSSSSS

    ResponderExcluir
  2. AAAAh to amando essa história!! Posta logo!!! *O*

    ResponderExcluir