quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Twenty Six e Twenty Seven e Twenty Eight


 

I've tried to hide it so that no one knows
But I guess it shows
When you look into my eyes  ♫ ♪


A semana na casa do lago foi perfeita. Eu e Joe estávamos nos dando cada vez melhor e mesmo com medo, mesmo sem querer, acabei deixando que a cada dia ele se apoderasse de mais um pedacinho do meu coração. A única coisa ruim foi que apesar de não estar trabalhando, Joe continuava sempre cansado, parecendo um pouco atormentado com alguma coisa, quando perguntei, ele me confessou que tinha pesadelos, que fazia alguns anos desde que tivera uma noite de sono descente.
Quando voltamos à civilização todos tiveram de voltar a trabalhar, mas muito mais relaxados do que antes. Matthew continuava bem com sua namorada Michele, comemoramos o aniversário de seis anos da Manuela, Selena estava super contente com a gravidez e Peter mais engraçadinho do que nunca. Tudo parecia absolutamente perfeito, até uma manhã em que Peter apareceu na mansão procurando por Joe. 

__Como assim onde está o Joe? Ele foi trabalhar__ eu disse terminando de arrumar o cabelo de Manuela.
__Não, ele não foi__ Peter negou__ não apareceu no trabalho e nem atendeu minhas ligações, eu supus que estava aqui com você.
__Eu ainda não o vi hoje, quando acordei ele já tinha saído__ expliquei__ presumi que tivesse ido trabalhar.
Fez-se um estranho silencio, Matt e Peter trocaram um olhar cauteloso que eu não compreendi muito bem.
__O que está havendo?
__Eu esqueci totalmente, não achei que seria um problema__ Peter murmurou pra si mesmo.
__Ele estava perfeitamente bem ontem tio Peter__ Matt disse__ eu também achei que não tinha que me preocupar.
__Talvez não seja o que estamos pensando__ Peter disse, mas não parecia convencido.
__Será que vocês podem me explicar o que está havendo?__ eu perguntei irritada, não gostava de ser deixada de lado do assunto assim, ainda mais se tratando do Joe, tinha algo errado e eu queria saber o que era.
__Você não sabe que dia é hoje?__ Peter perguntou com a sobrancelha erguida.
__Quarta feira__ respondi automaticamente__ qual o problema em?
__Demi__ Peter respirou fundo uma vez__ hoje é aniversário da morte da Rachel. Hoje faz quatro anos que ela se foi.

__Oh__ foi só o que saiu, não consegui dizer mais nada quando a compreensão me atingiu. Eu não sabia exatamente qual era a grande preocupação deles, mas imaginei que hoje não era um bom dia para Joe, e o fato de ele ter sumido não era nada bom.
__Vocês acham que o Joe fez alguma besteira?
__Todo ano nessa data, desde que a Rachel se foi, ele desaparece__ Peter explicou__ se enfia em algum bar pela cidade para beber, tentando esquecer da morte dela. Ele estava tão bem esses dias, está namorando com você e feliz... Não achei que teria que me preocupar com isso esse ano.
Eu não sabia o que dizer. Joe me pareceu muito bem nos últimos dias, ele não falava mais da mulher e parecia feliz ao meu lado, a única coisa que demonstrava que ele ainda não tinha superado por completo eram os pesadelos e o fato de ainda usar a aliança de casamento, mas eu tinha prometido a mim mesma que não deixaria aquilo que incomodar, afinal cada um tinha seu tempo para superar as coisas. Mas naquele momento, eu não sabia o que pensar da situação.

__Devíamos sair para procurá-lo__ Matt disse nervoso__ da ultima vez só o encontramos a noite e não foi nada legal.
__Tem razão, devemos procurá-lo__ Peter concordou__ vou pedir ajuda a Selena e ao Justin... Demi, você vem também?
__Eu acho melhor ficar aqui, talvez ele volte pra casa... Talvez não seja o que vocês estão pensando.
__Talvez não__ ele concordou, mas não parecia convencido.
Peter saiu com Matt para procurar por Joe. Eu me deixei cair no sofá, sentindo o coração apertar, estava tudo perfeito demais, algo tinha que dar errado para eu perceber que não estava em nenhum conto de fadas.
__Demi, qual o problema?__ Manuela perguntou me encarando confusa com aqueles grandes olhos cinza__ onde está o papai?
__Não se preocupe querida__ eu a abracei apertado__ ele vai voltar logo pra casa. 

Clarissa estava na porta me olhando, parecia aflita. Eu não tinha estado com Joe nos outros aniversários da morte da esposa dele, então eu não sabia quão ruim poderia ser essa crise dele, mas algo nos olhares de Clarissa, Matt e Peter me diziam que eu não ia gostar do que ia encontrar.
As horas foram passando incrivelmente devagar e nada de noticias do Joe. Eu já estava completamente aflita quando Matt chegou em casa sozinho, ele disse que Peter o mandara para casa mas ia continuar a procurar sozinho. Toda vez que o telefone tocava meu coração disparava de ansiedade e preocupação. Já eram dez da noite quando Peter finalmente voltou para mansão, Justin estava com ele, cada um apoiando Joe de um lado. 

__Graças a Deus vocês chegaram__ corri até eles__ Joe está bem?
__Está bem__ Peter fez careta enquanto o largavam de qualquer jeito no sofá__ só caindo de bêbado.
__Onde o encontraram?
__No cemitério__ Justin respondeu__ caído do lado da sepultura da Rachel com uma garrafa de bebida na mão.
Olhei para Joe, ele estava adormecido, jogado no sofá de qualquer jeito, com a roupa bagunçada e fedendo a bebida. Toda aquela felicidade que eu vinha sentindo de repente desapareceu e eu me senti completamente vazia por dentro.
__Vocês me ajudam a levá-lo lá para cima?__ Peter perguntou__ vamos dar um banho frio nele para ver se ele acorda.
Agradeci por Manuela já estar dormindo e não ter que ver o pai naquele estado. Matt estava parado no canto da sala, de braços cruzados e uma expressão vazia no rosto, tanto quanto a minha.
__Tudo bem, vamos levá-lo.
Peter e Justin o seguraram e começaram a carregá-lo escada acima, eu fui atrás para ajudar, conforme o choque passava ia sobrando a preocupação e também a pena. O resto dos sentimentos eu não conseguia distinguir, só sabia que precisava ajudá-lo. Quando chegamos ao quarto, o telefone de Justin começou a tocar, ele usou a mão livre para atender ao telefone.
__Amor, eu to um pouco ocupado agora, nós achamos o Joe e... __ ele parou um segundo__ não, tudo bem, eu já vou prai, fica calma ta bem? Eu prometo que não demoro.
__Algum problema?__ Peter perguntou?
__Selena ta passando mal__ ele explicou__ acho que é algum problema com o bebê, eu preciso ir socorrê-la.
__Tudo bem, pode ir, eu e Peter damos conta do resto, obrigada pela ajuda.

__Obrigada e desculpa não poder ajudar mais.
Ele soltou Joe e eu fiquei em seu lugar. Ajudei Peter a arrastá-lo até o banheiro com um pouco de dificuldade, mas conseguimos. Entramos com ele debaixo do chuveiro, e ainda o segurando liguei o chuveiro, a água fria caiu sobre ele, molhando eu e Peter no processo, mas teve o efeito que queríamos, a água gelada o despertou. Joe abriu os olhos assustado e quase escorregou.
__O que está acontecendo?__ ele tentou se soltar de nós dois, confuso e estava falando embolado__ o que estão fazendo?
Nós dois o soltamos no chão com cuidado, ele ficou lá sentado e eu fechei o chuveiro.
__Onde eu estou?__ ele passou a mão pelo rosto para tirar a água e o cabelo que caia sobre os olhos, depois olhou para mim e para o Peter como se fossemos dois extraterrestres, na verdade ele mal conseguia manter os olhos abertos__ o que estão fazendo comigo?
__Você perdeu o juízo?__ Peter gritou claramente irritado, seu tom de voz me fez estremecer__ como você desaparece assim seu idiota? Te procuramos o dia inteiro, em todos os lugares, achei que estava morto em algum lugar por ai.
__Peter, gritar com ele agora não vai resolver nada__ eu tentei acalmá-lo.
__Não me interessa__ ele resmungou.
__O que é você? Meu pai?__ Joe reclamou de cara feia, quase não entendi o que ele estava dizendo__ Me deixa em paz.
__Porque você fez isso Joe? Que diabos foi que te deu?__ Peter continuou a gritar.
__Peter, por favor... __ o que eu menos queria agora era briga entre um homem irritado e um bêbado.
__Minha mulher morreu__ Joe sussurrou encarando o chão, apesar de estar se enrolando com as palavras, isso eu consegui entender muito bem, também podia ouvir a tristeza em sua voz__ minha mulher morreu.
__Sim, ela morreu__ Peter concordou__ quatro anos atrás... Quando é que você vai deixar isso para lá e seguir em frente? Faz quatro anos Joe, quatro anos, quando você vai superar isso?
__Peter__ eu protestei novamente, aquilo não ia ajudar em absolutamente nada, Peter só ia conseguir ouvir o que não queria.
__Você tem dois filhos lindos, muitos amigos, uma carreira de sucesso, tem a Demi__ Peter o lembrou__ pra que isso?
Ele ergueu os olhos para o meu rosto, as lágrimas que ele derramava se confundiam com a água que escorria de seu cabelo, mas eu sabia que ele estava chorando, seus olhos estavam vermelhos e só piorava ainda mais na hora de ele falar alguma coisa. Mas as palavras que viriam a seguir seriam aquelas que acabariam como o lindo sonho que eu estava vivendo.
__Foi um erro__ ele murmurou__ foi tudo um grande erro, eu nunca devia... Eu tentei, eu juro que tentei, mas eu não consigo ser feliz, eu não posso fazer isso sem ela... Você não é ela... Você não é a minha Rachel.
Ele tentou se levantar, mas acabou escorregando e caindo no chão de novo.
__Você não é boa o bastante__ ele continuou a falar, mas não foram às palavras que mais me magoaram e sim o olhar em seu rosto, foi o seu olhar que quebrou meu coração em milhões de pedacinhos, justo quando eu pensava que tinha conseguido juntar os pedaços dele outra vez__ você não é a minha Rachel.
Peter me fitou completamente sem palavras, eu senti meus olhos arderem, mas respirei fundo... Eu não ia chorar.
__Eu vou buscar um café pra ele__ murmurei e me espantei ao perceber como minha voz estava sem vida__ eu já volto.
__Demi...
Eu ignorei o chamado e sai correndo do quarto, desci as escadas apressada, quase tropeçando no processo. Fui até a cozinha e encontrei Clarissa e Tânia conversando distraidamente com Matt, fez-se um silencio incomodo quando eu cheguei.

__Demi, você está bem?__ Matt perguntou.
Eu ignorei a pergunta, não queria pensar em como me sentia ou ia desabar ali na frente deles.
__Tânia, você pode fazer um café bem forte e levar até o quarto do senhor Jonas, por favor?
__Claro__ ela concordou.
__Obrigada.
Sai da cozinha o mais rápido possível antes que eles me fizessem alguma pergunta. Subi novamente as escadas e fui até o quarto de Manuela, ela acordou quando eu entrei e se sentou na cama meio sonolenta. Eu não disse nada por um tempo, ela ficou me observando em silencio.
__Demi, porque você está chorando?__ ela perguntou finalmente.
Passei a mão pelo rosto e senti-o molhado, não tinha percebido que estava chorando.
__Não estou chorando__ tentei disfarçar, enxugando as lágrimas__ eu só... Caiu um cisco no meu olho. Volte a dormir está bem?
Fiz com que ela se deitasse de novo, e fiquei observando-a até que adormecesse novamente. Tentei não pensar em nada enquanto a olhava ela dormir, mas mesmo que pensasse em outra coisa continuava doendo, meu coração estava doendo e eu queria chorar, chorar como uma criancinha e bater em mim mesma por ser tão terrivelmente estúpida.

Sai do quarto dela apressada e esbarrei com Peter no corredor.
__Como ele está?__ perguntei.
__Dormiu assim que caiu na cama__ ele respondeu__ você tinha razão, gritar não resolveu nada.
__Ok, eu vou... Eu...
__Você está bem? Demi, ele não estava falando sério, ele só está deprimido e...
__Eu não quero falar disso__ o interrompi__ só... Eu... Vou dormir um pouco, boa noite Peter.
Entrei no meu quarto e tranquei a porta, depois fui até o banheiro e também o tranquei. Escorei-me ali por um momento, depois deixei-me deslizar até o chão e fiquei ali sentada encarando as paredes e respirando fundo, contando até dez diversas vezes para tentar acalmar meu coração, mas só terminei chorando, chorando de soluçar, quase sufocando com tamanha agonia. As palavras de Joe escoando em minha mente, como se ele as estivesse gritando ali no meu ouvido.
Tinha acontecido de novo, mesmo depois de todas as vezes que quebrei a cara, de todas as promessas que fiz a mim mesma, eu deixei acontecer de novo... Eu me apaixonei e ele pisou no meu coração como se não fosse nada, igual aos outros, talvez até pior. Sim, era pior que das outras vezes, eu quis tanto acreditar que seria diferente, mas não... Ali estava eu de novo, chorando por um homem que partiu meu coração. 
Fim do Capítulo